WhatsApp Twuitter

Quarta, 13 de setembro de 2017, 08h10

Lava Jato

Lula reencontra Sérgio Moro para explicar terreno de instituto e apê no ABC


Quatro meses depois do primeiro depoimento na Justiça Federal de Curitiba, em processo que resultou na condenação por causa do triplex do Guarujá na Lava Jato, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva volta a ser interrogado pelo juiz Sérgio Moro nesta quarta-feira (13) na capital paranaense.

O encontro está marcado para 14h. Desta vez, o petista vai se defender da acusação de receber um apartamento em São Bernardo do Campo (SP) e um terreno para a construção do Instituto Lula da Odebrecht. Em troca, teria facilitado fechamento de contratos da empreiteira com a Petrobras.

Segundo a força-tarefa da Lava Jato, o terreno para o Instituto Lula custou R$ 12,5 milhões e a cobertura vizinha à residência de Lula em São Bernardo do Campo, R$ 504 mil.

Adilton Venegeroles/Estadão Conteúdo

Embora a espectativa das autoridades seja a de que o depoimento desta quarta tenha proporções menores do que o anterior, a PM (Polícia Militar) do Paraná preparou um grande aparato de segurança para receber o petista.

Nesta quarta, serão cerca de 1.000 agentes nas ruas da capital paranaense — contra 1.700 agentes policiais deslocados para garantir a segurança no primeiro depoimento de Lula. A PM paranaense, porém, não confirmou a quantidade exata de agentes que estarão nas ruas.

Segundo a Direção do Foro da Justiça Federal do Paraná, os prazos processuais e o expediente da Subseção Judiciária de Curitiba na data serão mantidos, mesmo com o depoimento. O ex-presidente se negou a prestar depoimento por videoconferência e por isso reecontrará Moro frente a frente.

A expectativa é que haja aglomeração nas redondezas da Justiça Federal e, por isso, a PM vai impedir o acesso na área externa do edifício, com exceção de moradores da região e da imprensa. Também espera-se que movimentos sociais se reunam no local para dar apoio ao ex-presidente.

Existe a expectativa de que o ex-presidente faça um pronunciamento na praça Generoso Marques após o depoimento a Moro. A quantidade de militantes, porém, deve ser bem menor que aquela registada em maio. A praça está a 4 km de distância da Justiça Federal de Curitiba.

Esta é a segunda vez que Lula depõe a Moro. A primeira também aconteceu em Curitiba, em maio deste ano, quando o petista prestou esclarecimentos sobre triplex no Guarujá.

O ex-presidente foi condenado a 9 anos e 6 meses de prisão nesta ação, em primeira instância. A defesa apelou conta a condenação e o recurso está tramitando no TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), em Porto Alegre. 



// matérias relacionadas

Sexta, 22 de junho de 2018

17:06 - Justiça homologa delação premiada de do ex-ministro Antonio Palocci

13:45 - Defesa de Lula nega pedido de prisão domiciliar para o ex-presidente

09:09 - Lewandowski nega sessão secreta para julgamento do pedido de liberdade de Lula

09:03 - Cármen vai arquivar investigação sobre áudio de Joesley que cita ministros

Quinta, 21 de junho de 2018

13:00 - Alvo de ação da PF em SP, foi diretor da Kroll e presidente da Dersa

12:30 - PF pega R$ 100 mil em dinheiro vivo com alvo de fraudes no Rodoanel de SP

11:27 - Polícia deflagra Operação Greenwich, 52ª fase da Operação Lava Jato

09:59 - PF inicia operação que investiga desvio de recursos no Rodoanel

Quarta, 20 de junho de 2018

12:15 - Delúbio é transferido para prisão da Lava Jato no Paraná

08:32 - STF absolve Gleisi por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro


// leia também

Sábado, 23 de junho de 2018

08:42 - Desaprovação a Bolsonaro sobe a 64%, diz Ipsos; pior situação é a de Alckmin

08:33 - Descrédito nos partidos atinge 8 em 10 brasileiros

Sexta, 22 de junho de 2018

19:15 - Fachin nega recurso de Lula e julgamento é cancelado no Supremo

18:25 - TRF4 rejeita recurso de Lula ao Supremo contra condenação

14:32 - Morre Waldir Pires, ex-ministro e ex-governador da Bahia

11:21 - Morre aos 91 anos o ex-governador da Bahia e ex-ministro da Defesa Waldir Pires

Quinta, 21 de junho de 2018

13:30 - Decisão do Supremo vai destravar delações fechadas com a polícia

12:09 - Cautelar pedida por Lula pode suspender efeito da Ficha Limpa, afirma advogado

12:08 - PT de Minas cogita Dilma como plano B a Pimentel

11:59 - Eleição pode ser anulada caso resultado seja influenciado por fake news, diz Fux