WhatsApp Twuitter

Quarta, 13 de setembro de 2017, 11h05

Um terço dos membros da CPI da JBS foi financiado pela empresa


Recém-criada no Congresso, a CPI mista da JBS tem cerca de um terço de seus atuais integrantes financiado pela empresa, líder mundial de processamento de carnes. Ao todo, foram cerca de R$ 4 milhões doados para as campanhas que elegeram 15 parlamentares dos 49 que fazem parte do colegiado.

A comissão, que nesta terça-feira, 12, teve a sua primeira reunião de trabalho, ainda tem 19 vagas para serem preenchidas. A maior parte é do PMDB do Senado, que deve indicar os nomes apenas hoje.

O líder da bancada, senador Raimundo Lira (PMDB-PB), admite dificuldade para convencer os colegas. “Quem recebeu doação está se sentindo, digamos assim, desconfortável em fazer parte da CPI”, afirmou Lira ao Estado. Ao todo, dez dos 23 senadores da bancada peemedebista receberam doação da JBS durante suas campanhas.

A reunião desta terça-feira, da CPI foi marcada pela polêmica em torno da escolha do deputado Carlos Marun (PMDB-MS) como relator. Integrante da tropa de choque do presidente Michel Temer no Congresso, a indicação do peemedebista foi articulada pelo Palácio do Planalto, que queria alguém alinhado ao governo no cargo.

A escolha provocou a saída de ao menos dois senadores do colegiado. Ricardo Ferraço (PSDB-ES) e Otto Alencar (PSD-BA) desistiram de fazer parte da CPI. “Essa CPI é chapa branca para fazer o que o Palácio do Planalto quer. Estou envergonhado”, disse Otto antes de deixar a reunião, com direito a bater a porta da sala na saída. “Esta comissão não pode ser ajuste de contas. Isto deforma o sentindo da investigação”, afirmou Ferraço.

Marun é dos que receberam da JBS. Ao todo, foram R$ 103 mil doados para a campanha que o elegeu, em 2014. Questionado ontem, o deputado disse não ver constrangimento em ser relator de uma CPI que tem como um dos objetivos investigar os termos do acordo de colaboração que a empresa firmou com o Ministério Público Federal. “A minha atuação vai ser em busca da verdade. Nós temos um plenário. Se houver atitude minha que possa ser contestada, o plenário está aí para fazê-lo”, afirmou Marun.

Para o deputado, a CPI não pode ter “medo” de se debruçar sobre os termos da delação premiada da empresa, que tem Temer como principal alvo. “Temos delatores presos, procurador pedindo prisão de procurador. Não podemos fazer vistas grossas a essa situação", afirmou Marun. "Existem atuações controversos de setores da PGR. Tem colega nosso que só de falar em procurador já tem medo. Esse não é o meu caso. Estamos aqui para avançar a verdade doa a quem doer.”

 



// matérias relacionadas

Quarta, 17 de janeiro de 2018

11:30 - RS quer fechar prédios públicos para julgamento de Lula

08:29 - Defesa de Lula pretende usar despacho de Moro em sustentação oral

Terça, 16 de janeiro de 2018

10:28 - Gleisi Hoffmann acusa TRF-4 de criar cortina de fumaça

09:08 - Recurso de Lula mobiliza juízes por mais segurança

Segunda, 15 de janeiro de 2018

11:47 - PF abre novos inquéritos contra três ex-ministros

Quarta, 10 de janeiro de 2018

11:43 - Ex-diretor da JBS depõe hoje na PF; Janot também é chamado

08:40 - Lula não deve ir a porto alegre no dia do julgamento

08:15 - Caixa mantém executivos ligados a Eduardo Cunha e Geddel Vieira Lima

Domingo, 07 de janeiro de 2018

12:05 - Moro manda PF manter aberto inquérito mãe da Lava Jato

Quinta, 04 de janeiro de 2018

16:02 - Cabral é denunciado pela 20ª vez na Operação Lava Jato


// leia também

Quarta, 17 de janeiro de 2018

19:00 - Lula evoca guerra de Canudos ao criticar presidente do TRF-4

18:30 - PGR pede ao STF manutenção da prisão de Picciani e Melo

16:05 - França será candidato em SP com ou sem apoio do PSDB, diz presidente do PSB

14:04 - Mendonça Filho reafirma que será candidato, mas retardará saída do MEC

13:56 - Defesa já prepara recursos ao STJ para garantir posse de Cristiane Brasil

11:33 - Pré-candidato do PSDB à Presidência, Alckmin cumpre agenda em Brasília

11:32 - Relator da Máfia da Merenda dá 15 dias para Capez se defender

11:29 - Cai resistência a Bolsonaro no Exército

11:28 - Maia vê protagonismo excessivo do Judiciário no caso de Cristiane Brasil

11:27 - Auditoria da Caixa encontra e-mail de Temer para vice-presidente afastado