WhatsApp Twuitter

Quarta, 13 de setembro de 2017, 13h34

Política Nacional

Temer dividiu propina da Odebrecht com Geddel, diz Funaro


O corretor Lúcio Funaro disse em sua delação premiada que o presidente Michel Temer dividiu com Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), ex-homen forte de seu governo, propina da Odebrecht. Nos anexos de sua colaboração, já homologada pelo Supremo, ele afirmou ter buscado R$ 1 milhão em espécie, supostamente pagos pela empreiteira, no escritório do advogado e ex-deputado José Yunes, amigo de Temer. Relatou também ter mandado a quantia para Geddel, na Bahia.

Reprodução

O presidente Michel Temer ao lado do ex-ministro Geddel Vieira Lima. 

As declarações de Funaro coadunam com a versão apresentada pelo ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht Cláudio Mello Filho em sua delação. Ele relatou ter negociado com Temer e seus aliados, entre eles o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil), doações de caixa 2 para campanhas em 2014, no total de R$ 10 milhões. Parte desse valor teria sido distribuída por meio de Yunes, apontado como um dos “operadores” do presidente. À Procuradoria-Geral da República (PGR), Yunes já disse ter sido usado como “mula” de Padilha para a entrega de um pacote.

Conforme Funaro, dirigentes da Odebrecht usaram o doleiro Álvaro Novis para fazer cogem que os valores destinados a Temer chegassem a Yunes. Ele contou que, na ocasião, recebeu um telefonema de Geddel pedindo que retirasse R$ 1 milhão, a ser entregue em Salvador.

Geddel “informou que o dinheiro que iria retirar com José Yunes era referente a uma doação via caixa 2 da Odebrecht, acertada juntamente (com) Eliseu Padilha e Michel Temer”, diz trecho do anexo intitulado “Intermediação de Pagamentos de Propinas para Interpostos do Presidente”, obtido pelo Estado.

“Estes valores eram de Michel Temer, o qual estava enviando uma parte do dinheiro arrecadado para Geddel”, continua o documento. Foi Geddel, segundo Funaro, quem lhe passou o telefone de Yunes. A retirada, segundo ele, foi feita no escritório do advogado no Itaim Bibi, em São Paulo. No local, após uma conversa com Yunes, na qual teriam trocado cartões, uma caixa com a quantia acertada teria sido repassada pela secretária e o motorista do amigo de Temer.

Funaro, então, disse que retornou com os valores até o seu escritório e pediu para que um funcionário fosse até a Bahia levar a encomenda para Geddel. “O

dinheiro foi entregue em Salvador por um funcionário de logística de

transporte de valores do doleiro Tony, o qual retirou os valores em São

Paulo e, no dia seguinte, fez a entrega na sede do PMDB da Bahia”, registra o anexo.

Um dos políticos mais próximos de Temer, Geddel chefiava a Secretaria de Governo até novembro do ano passado, quando pediu demissão por ter, supostamente, tentado influenciar o Ministério da Cultura a lhe conceder uma decisão favorável. Ele está preso em Brasília desde a semana passada, depois que a Polícia Federal descobriu que escondia R$ 51 milhões em notas num apartamento da capital baiana.

O Estado procurou o Palácio do Planalto, que ainda não se manifestou. A defesa de Geddel disse que não se manifestaria, pois não teve acesso aos anexos. José Yunes ainda não foi localizado pela reportagem.



// matérias relacionadas

Domingo, 31 de dezembro de 2017

11:00 - Relação entre FHC e Temer viveu vaivém em 2017

Sexta, 29 de dezembro de 2017

16:30 - Decreto de Temer prorroga inscrição no Cadastro Ambiental Rural até 31 de maio

13:45 - Temer reúne-se com ministros para discutir saída após veto a parte de indulto

Quinta, 28 de dezembro de 2017

16:30 - Raquel pede a Cármen que suspenda 'com maior brevidade possível' indulto de Temer

13:27 - Contra privilégios, Temer se aposentou aos 55 anos

Sexta, 22 de dezembro de 2017

17:00 - Temer passa Natal em SP; réveillon será 'na praia'

13:55 - Temer diz que aqueles que o acusaram 'ou estão presos ou desmoralizados'

13:43 - Cármen nega domiciliar a Maluf

Domingo, 26 de novembro de 2017

12:27 - Temer tem quadro estável e previsão de alta para segunda-feira

Quinta, 26 de outubro de 2017

17:58 - Temer sanciona lei que torna crime hediondo o porte de arma de uso restrito


// leia também

Sexta, 19 de janeiro de 2018

18:42 - Alckmin veta ?Segunda sem Carne? e setor produtivo apoia medida

18:30 - Peritos federais descartam 'ação criminosa' na morte de Teori

18:10 - Sérgio Cabral tem a companhia de Vaccari, Cunha e Bendine

17:53 - Novo estatuto da Caixa prevê afastamento de executivos pelo conselho diretor

16:55 - Defesa de Michel Temer pede que inquérito seja encaminhado à PGR

16:12 - Collor anuncia que é pré-candidato à Presidência da República pelo PTC

15:35 - Ministro da Justiça nega haver 'ameaças concretas' a magistrados do TRF-4

14:35 - Acorrentado e algemado, Cabral é levado ao IML de Curitiba

14:10 - Movimentos pró e contra Lula preparam manifestações em Porto Alegre

11:53 - Lula diz que será candidato à Presidência aconteça o que acontecer