WhatsApp Twuitter

Sábado, 15 de setembro de 2018, 16h46

FHC demora um mês para manifestar apoio a Alckmin, mas erra nome do candidato


O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) demorou um mês para publicar no Twitter, na manhã deste sábado, 15, uma mensagem de apoio explícito ao candidato tucano à Presidência da República, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin. No entanto, escreveu duas vezes o nome do candidato sem a letra ‘c‘.

A Coluna do Estadão publicada na edição deste sábado notou que FHC estreou no Twitter há um mês e, até ontem, não havia usado a rede social para pedir votos a Alckmin. O máximo que ele fez foi listar algumas virtudes necessárias para um presidente e, sem citar nenhum candidato, recomendou aos seus seguidores que votem naquele que reunir essas características.

‘O Brasil depende de nossas escolhas. Palavras o vento leva. Realizações marcam. Só com experiência se governa. Sem convicção não se criam caminhos de futuro. Avalie quem junta estas virtudes e vote. O país precisa de coesão e grandeza. Está em nossas mãos construir o futuro‘, ele escreveu ontem.

Hoje, por volta das 11h, depois de a Coluna do Estadão notar a ausência de menções a Alckmin, o ex-presidente alegou que a mensagem de ontem foi clara no seu apoio ao correligionário e, dessa vez, citou o ex-governador de São Paulo, embora ele tenha escrito duas vezes o nome do candidato sem a letra ‘c‘.

‘Intriga não ajuda a convencer. No que publiquei ontem está claro que Alkmin é quem pode governar melhor: experiente, honesto, com olho no orçamento e capaz de ouvir. Meu voto é sabidamente nele. Há tempo para evitar votar em aventuras ou em desastres anunciados‘, disse.

Duas horas depois, FHC voltou ao Twitter para dizer que concorda com o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), quando este fez críticas ao sistema político, em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo. Foi nessa mensagem que ele escreveu pela segunda vez o nome de Alckmin sem a letra ‘c‘.

‘O senador Tasso está certo: o ciclo partidário-eleitoral se exauriu. Não há outro ainda. Alkmin poderá levar o país a um novo consenso. Fiéis à democracia e aos nossos compromissos votemos nele para a reconstrução social e econômica do Brasil.‘, disse.



// matérias relacionadas

Sábado, 15 de setembro de 2018

16:10 - Após pesquisa, PSL publica vídeo com frase sobre rejeição a Bolsonaro

10:49 - Disputa entre Ciro e Haddad se acirra na Região Nordeste

09:09 - PT atrasa pagamento de equipe de TV

08:07 - Ao sair da prisão, Richa diz que vai retomar candidatura ao Senado nas eleições

Sexta, 14 de setembro de 2018

19:38 - Datafolha traz Bolsonaro com 26% enquanto Ciro e Haddad empatam nos 13%

18:19 - Datafolha mostra Ciro, Haddad e Alckmin empatados em 2º lugar

15:39 - Mourão defende Constituição sem eleitos

15:34 - Defesa de Lula pede ao TSE que ele grave vídeos como apoiador em propaganda

Quinta, 13 de setembro de 2018

19:00 - Ciro questiona viabilidade da candidatura de Fernando Haddad

17:00 - Flávio Bolsonaro diz que o quadro de saúde do pai é 'muito grave'


// leia também

Domingo, 16 de setembro de 2018

15:30 - Contador da família Richa é suspeito de tentar atrapalhar investigações

14:30 - Candidatos novatos à Câmara dos Deputados recebem maiores doações

12:30 - Promotor acusa defesa de Beto Richa (PSDB) de adotar estratégia duvidosa

11:30 - Hashtag #Elasim, de Marina Silva, lidera assuntos mais comentados no Twitter

10:30 - Alckmin critica populismo do PT e de Bolsonaro

09:30 - Crivella vira réu por suposto crime de improbidade administrativa

08:30 - Haddad usou reflexão honesta para fazer proselitismo político, diz Tasso

07:56 - Aliado de Bolsonaro vai à PGR contra defesa de agressor do presidenciável do PSL

07:53 - TSE nega novo pedido de Lula para gravar propaganda eleitoral da prisão

Sábado, 15 de setembro de 2018

11:50 - Bolsonaro está sem febre e recebe tratamento de prevenção à trombose