WhatsApp Twuitter

Domingo, 16 de julho de 2017, 10h00

POLÍTICA DE MT

'Todos os policiais investigados por grampos passaram pelo Gaeco', diz Perri

Celly Silva, repórter do GD


O desembargador Orlando Perri, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), chamou a atenção para o fato de que todos os policiais militares envolvidos na investigação que apura a existência de interceptações telefônicas ilegais ocorridas no Estado e que tem sido chamada de “grampolândia pantaneira” já atuaram no Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco).


Orlando Perri

O apontamento foi feito durante sessão plenária do TJ, na última quinta-feira (13), em que se analisava o pedido de arquivamento da investigação conduzida por Perri por parte do procurador-geral de Justiça Mauro Curvo, que acabou sendo negado por unanimidade.

Leia também - Em decisão unânime, TJ nega arquivar investigações sobre grampos

“Por falar em Gaeco, chama a atenção o fato de que todos os policiais militares implicados nessa grampolândia estavam ou passaram pelo Gaeco. Os fatos são estarrecedores!”, disse Perri.

O desembargador é responsável por decretar as prisões do coronel Evandro Ferraz Lesco, secretário-chefe da Casa Militar afastado, do sargento Euclides Luiz Torezan, cedido ao Grupo de Atuação e Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do coronel Ronelson Jorge de Barros (secretário-adjunto na Casa Militar afastado) e do coronel Januário Antônio Edwiges Batista, ex-comandante do 4º Batalhão, em Várzea Grande.

Leia também - Desembargador manda prender 6 militares; 2 são secretários

Segundo ele, a sociedade mato-grossense tem o direito de saber quem foram as vítimas e quem são os “verdadeiros responsáveis” pelo que ele classificou como “graves atentados a intimidade do cidadão”.

O desembargador também ressaltou que caso as investigações por ele jurisdicionadas fossem arquivadas, todos os demais processos relacionados ao caso dos grampos ilegais também teriam quer ser novamente distribuídos e começar do zero.

“Todos os demais procedimentos a mim distribuídos ou avocados vieram por conexão. Se derrubarem esta notícia-crime vai ter que se fazer a distribuição de todos os demais procedimentos que estão sob minha relatoria. Existem sim conseqüências de ordem prática! E profundas conseqüências!”, afirmou.

Assista à sessão e veja a partir de 1 hora, o momento em que Perri cira os policiais do Gaeco:
 

             



// matérias relacionadas

Domingo, 24 de setembro de 2017

10:13 - Governo de MT já realizou mais de 27 mil cirurgias oftalmológicas

Sábado, 23 de setembro de 2017

08:22 - PGE nega haver clima pesado entre governo e TJ

Sexta, 22 de setembro de 2017

17:27 - Governador oficializa afastamento de Jarbas e nomeia adjunto na Sesp

12:43 - Governo abre 100 vagas para curso de educação fiscal só para universitários

Quinta, 21 de setembro de 2017

16:51 - Em defesa de Perri, Amam pede para Taques ficar no seu 'quadrado'

16:34 - No Facebook, delegado minimiza vaias de colegas

15:58 - Delegado Stringueta ressurge na grampolândia

15:51 - Ministro mantém prisão do coronel Zaqueu e a classifica como 'necessária'

13:19 - Decisão de Perri evidencia tensão entre poderes

08:20 - Curvo diz que não há animosidade com Tribunal de Justiça


// leia também

Sábado, 23 de setembro de 2017

11:05 - Ministro Barroso libera para análise ação sobre candidatura avulsa

Sexta, 22 de setembro de 2017

19:10 - Estado vai acionar juiz no CNJ por prisão de secretário de saúde

17:44 - 'Estão me confundindo com fornecedor de maconha', diz secretário de saúde

14:57 - TJ vê ilegalidade e relaxa prisão de secretário

12:30 - Juiz não analisa prisão do secretário Luiz Soares e deixa o TJ decidir

10:19 - Secretário de Saúde é preso por descumprir decisão judicial

09:55 - Por medo, prefeito pede sigilo em investigação no STF

08:35 - Alan Malouf pede perdão judicial em ação por fraudes na Seduc

Quinta, 21 de setembro de 2017

17:11 - OAB-MT vê com preocupação declarações de Taques contra Perri

16:18 - Desembargadora nega suspender prisão de Arcanjo em MT