WhatsApp Twuitter

Quinta, 17 de agosto de 2017, 11h04

operação convescote

Funcionário da Faespe faz delação e deixa cadeia

Celly Silva, repórter do GD


O funcionário da Fundação de Apoio ao Ensino Superior Público Estadual (Faespe) Hallan Gonçalves de Freitas, réu na operação Convescote, firmou acordo de delação premiada com o Ministério Público Estadual (MPE) e, por causa disso, obteve a revogação de sua prisão, na tarde desta quarta-feira (16). Ele estava preso desde o dia 20 de junho, quando a operação foi deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco). 

Reprodução

Hallan Gonçalves

Conforme apurou o Gazeta Digital, o termo de colaboração foi homologado na terça-feira (15), pela juíza Selma Rosane Santos Arruda, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, um dia antes dela expedir o decreto de soltura de Hallan. O processo corre em segredo de justiça.

Segundo apontam as investigações, Hallan Gonçalves foi flagrado pelos agentes do Gaeco diversas vezes no escritório da Faespe, localizado no edifício Maruanã, em Cuiabá, e também em encontros com o servidor do Tribunal de Contas do Estado Cláudio Roberto Borges Sassioto, no local de trabalho deste, além da agência do Sicoob no TCE, onde sacava valores que eram repassados ao outro réu.

Leia também - Gaeco segue passos e flagra encontros 'espúrios' entre presos - Veja fotos

Ele também é dono da empresa de fachada H.G. de Freitas ME, usada pela suposta organização criminosa para desviar dinheiro que era pago pela Faespe, que por sua vez, recebia quantias milionárias de órgãos públicos, por meio de convênios de prestação de serviços que eram em boa parte, fraudados, ou seja, não eram prestados em sua totalidade, mas contavam com a certificação de servidores dos órgãos contratantes.

Convescote

A primeira fase da operação ocorreu no dia 20 de junho, quando foram cumpridos 11 mandados de prisão temporária, 16 ordens de buscas e apreensões e 4 conduções coercitivas.

No dia 30 daquele mês, a segunda fase foi deflagrada com o cumprimento de 13 mandados de condução coercitiva e busca e apreensão, todos expedidos pela Vara Especializada do Crime Organizado da Capital.

A operação desarticulou uma organização criminosa composta por funcionários da Fundação de Apoio ao Ensino Superior Público Estadual (Faespe) para saquear os cofres públicos. As investigações apontam que a fundação tinha contratos com a Assembleia Legislativa, Tribunal de Contas do Estado (TCE), Prefeitura de Rondonópolis e Secretaria de Estado de Infraestrutura.

De 2011 para cá, a Faespe recebeu mais de R$ 70 milhões em contratos com esses clientes. Por enquanto, as investigações já constaram desvio de pelo menos R$ 3 milhões, mas o Gaeco estima que o rombo possa ser de até 10 vezes mais em relação ao valor já apurado até o momento.

Além do crime de constituição de organização criminosa, também há indicativos da prática de peculato, lavagem de capitais e corrupção ativa. 



// matérias relacionadas

Quarta, 20 de dezembro de 2017

16:53 - Juíza nega devolver documentos apreendidos da Faespe

Quarta, 13 de dezembro de 2017

17:26 - TJ mantém juíza Selma em processo contra oficial de justiça

15:50 - TJ revoga prisão de policial do Gaeco acusado de vazar informações

Terça, 12 de dezembro de 2017

11:46 - Juíza declina de competência e PM será julgado na Vara Militar

Segunda, 04 de dezembro de 2017

18:53 - Gaeco investiga contrato entre Faespe e empresa do DF

Quinta, 30 de novembro de 2017

12:53 - Assessor do deputado Maluf volta ser alvo do Gaeco; veja lista completa

08:58 - Servidor do TCE e esposa, ex-diretora da Faespe, são levados a depor - Siga

Quarta, 29 de novembro de 2017

15:12 - AL prorroga investigação sobre contrato de R$ 100 milhões com a Faespe

Sexta, 24 de novembro de 2017

10:28 - Ex-procurador de Cuiabá confirma que ajudou desviar R$ 1 milhão

Quinta, 23 de novembro de 2017

14:06 - Juíza ouve policial que vazou dados do Gaeco


// leia também

Terça, 16 de janeiro de 2018

10:32 - Justiça anula primeira matrícula de imóvel em ação bilionária em Sorriso

Segunda, 15 de janeiro de 2018

14:30 - Silval Barbosa diz que se arrepende e está se retratando

12:43 - Falta de CNH não presume culpa de condutor em acidente, decide TJ

12:30 - Presidentes do TRF4 e do STF discutem ameaças a desembargadores

12:00 - MPE investiga incentivos fiscais concedidos ao resort de Blairo no Manso

09:47 - Pronto-Socorro de Várzea Grande tem 60 dias para realizar adequações

Domingo, 14 de janeiro de 2018

08:15 - Saiba quem tem prioridade de tramitação processual

Sexta, 12 de janeiro de 2018

14:55 - MPE abre inquérito para investigar obras de reforma da Praça Ipiranga

11:42 - MPE apura esquema entre Silval Barbosa e a Petrobras

07:50 - MP quer obrigar Seduc a contratar auxiliares para alunos especiais