WhatsApp Twuitter

Segunda, 21 de agosto de 2017, 11h35

política de mt

Delator emitiu R$ 450 mil em notas frias para a AL

Celly Silva, repórter do GD


Em delação premiada feita ao Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), o réu da operação Convescote Hallan Gonçalves de Freitas, dono da empresa H.G de Freitas ME relatou que emitiu diversas notas fiscais fraudadas para a Fundação de Apoio ao Ensino Superior Público Estadual (Faespe), referentes a contratos com diversos órgãos públicos como Assembleia Legislativa (ALMT), Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT), dentre outros.

Marcus Vaillant/Reprodução

Hallan Gonçalves (detalhe)

As declarações foram prestadas no último dia 3 de agosto. O acordo de colaboração foi homologado pela juíza Selma Arruda, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá no dia 15 e ele deixou a cadeia no dia seguinte.

Somente em relação à Assembleia Legislativa, Hallan afirma que emitiu R$ 450 mil em notas frias. Desse montante, após descontar os impostos e mais 10% de sua comissão, repassava tudo para Jocilene Rodrigues Assunção, funcionária da Faespe e esposa do ex-secretário de Administração do TCE Marcos José da Silva, apontado como líder da suposta organização criminosa.

Leia também - Gaeco 'espionou' investigados e produziu dossiê para pedir prisões

Envelopes com dinheiro

O delator também contou aos promotores e delegados membros do Gaeco que no final de 2015, Jocilene lhe pediu para entregar um envelope com dinheiro para o então secretário geral da Assembleia Legislativa Tschales Franciel Tschá, o que ele obedeceu, entregando o envelope nas mãos do servidor.

Em outra ocasião, o delator também afirma que entregou um envelope com dinheiro para Odenil Rodrigues de Almeida, outro servidor da ALMT ligado ao deputado estadual Guilherme Maluf (PSDB). Nesse caso, a entrega teria ocorrido no escritório de Jocilene, localizada no edifício Maruanã, na Avenida do CPA, em Cuiabá, também a pedido dela. No mesmo prédio, também funciona o escritório da Faespe.

“Crescendo na vida”

Hallan Gonçalves também declarou aos investigadores que aceitou cometer as ilicitudes que Jocilene lhe pedia porque estava “com um bom salário, economizando, crescendo na vida e não queria perder a oportunidade”, já que antes desse trabalho, ele havia sido estagiário na Prefeitura de Várzea Grande, onde conheceu a ré na operação e depois ficou sem trabalhar por um tempo.

Leia também - Gaeco segue passos e flagra encontros 'espúrios' entre presos - Veja fotos

O delator começou a trabalhar para a Faespe em junho de 2015, quando em contato com Jocilene abriu uma empresa individual para prestar serviços de despachante da Faespe nos órgãos com quem mantinha convênios, exercendo funções como conferir certidões de pessoas jurídicas, conferir documentos para contratação de novos prestadores de serviços, fazer cadastramentos destes, emitir holerites e impostos, montar pastas de pagamentos e relatórios de atividades.

As atividades ilícitas, segundo Hallan Gonçalves, teriam começado quando o convênio da Faespe com o a Assembleia Legislativa começou a efetivamente funcionar, inclusive com pagamentos. Foi aí que Jocilene Rodrigues lhe fez o primeiro pedido para emitir uma nota fria no valor de aproximadamente R$ 11.8 mil. Depois disso, a prática se tornou constante.  



// matérias relacionadas

Quarta, 20 de dezembro de 2017

16:53 - Juíza nega devolver documentos apreendidos da Faespe

Quarta, 13 de dezembro de 2017

17:26 - TJ mantém juíza Selma em processo contra oficial de justiça

15:50 - TJ revoga prisão de policial do Gaeco acusado de vazar informações

Terça, 12 de dezembro de 2017

11:46 - Juíza declina de competência e PM será julgado na Vara Militar

Segunda, 04 de dezembro de 2017

18:53 - Gaeco investiga contrato entre Faespe e empresa do DF

Quinta, 30 de novembro de 2017

12:53 - Assessor do deputado Maluf volta ser alvo do Gaeco; veja lista completa

08:58 - Servidor do TCE e esposa, ex-diretora da Faespe, são levados a depor - Siga

Quarta, 29 de novembro de 2017

15:12 - AL prorroga investigação sobre contrato de R$ 100 milhões com a Faespe

Sexta, 24 de novembro de 2017

10:28 - Ex-procurador de Cuiabá confirma que ajudou desviar R$ 1 milhão

Quinta, 23 de novembro de 2017

14:06 - Juíza ouve policial que vazou dados do Gaeco


// leia também

Terça, 16 de janeiro de 2018

10:32 - Justiça anula primeira matrícula de imóvel em ação bilionária em Sorriso

Segunda, 15 de janeiro de 2018

14:30 - Silval Barbosa diz que se arrepende e está se retratando

12:43 - Falta de CNH não presume culpa de condutor em acidente, decide TJ

12:30 - Presidentes do TRF4 e do STF discutem ameaças a desembargadores

12:00 - MPE investiga incentivos fiscais concedidos ao resort de Blairo no Manso

09:47 - Pronto-Socorro de Várzea Grande tem 60 dias para realizar adequações

Domingo, 14 de janeiro de 2018

08:15 - Saiba quem tem prioridade de tramitação processual

Sexta, 12 de janeiro de 2018

14:55 - MPE abre inquérito para investigar obras de reforma da Praça Ipiranga

11:42 - MPE apura esquema entre Silval Barbosa e a Petrobras

07:50 - MP quer obrigar Seduc a contratar auxiliares para alunos especiais