WhatsApp Twuitter

Quarta, 06 de setembro de 2017, 15h28

CONVESCOTE

TJ manda soltar servidor do TCE considerado líder de esquema na Faespe

Celly Silva, repórter do GD


Atualizada às 17h02 - A 2º Câmara Criminal do Tribunal de Justiça (TJMT) concedeu habeas corpus em favor de Marcos José da Silva, servidor e ex-secretário de Administração do Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT), réu na ação penal oriunda da operação Convescote, que apura fraudes e desvios de órgãos públicos por meio de convênios com a Fundação de Apoio ao Ensino Superior Público Estadual (Faespe). 

Reprodução

O réu Marcos José da Silva

Marcos José da Silva está preso no Centro de Custódia da Capital (CCC) desde o dia 20 de junho, quando o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) deflagrou a operação. Conforme as investigações, ele é apontado como o líder da suposta organização criminosa pois ficava com 75% de tudo o que era pago pela Faespe à empresa de fachada criada em nome do amigo dele, Luiz Benvenuti Castelo Branco de Oliveira e também de outros “laranjas” que também são réus na ação.

Leia mais - Líder de esquema recebia 75% de valores pagos via Faespe

A decisão unânime acompanhou voto do relator, desembargador Pedro Sakamoto, que determinou a soltura do réu, sem necessidade de utilização de tornozeleira eletrônica. A votação em que também participaram os desembargadores Rondon Bassil Dower Filho e Marcos Machado ocorreu na tarde desta quarta-feira (6).

A decisão também beneficiou outros dois réus: a esposa de Marcos José, a funcionária da Faespe Jocilene Rodrigues de Assunção e o 'laranja' José Carias da Silva Neto, que estavam em prisão domiciliar com uso de tornozeleira eletrônica e agora serão liberados dessas medidas. 

A sustentação do pedido de habeas corpus foi realizado pelo advogado Valber Melo, juntamente com Dalto Passare, em que apontaram a inidoneidade dos fundamentos lançados no decreto de prisão assinado pela juíza da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, Selma Arruda.

Conforme o Gazeta Digital  apurou, Marcos José da Silva deve deixar a prisão até o final desta quarta-feira (6) ou, no máximo, até a manhã de quinta-feira (7).

Operação Convescote

A operação apura desvios de dinheiro público em convênios celebrados entre a Faespe e instituições públicas que superam R$ 70 milhões. Por enquanto, as investigações já constaram desvio de pelo menos R$ 3 milhões.

Marcus Vaillant

Durante a 1ª fase da operação, 11 pessoas foram presas de forma preventiva. Dessas, 5 obtiverem direito de conversão de prisão preventiva por medidas cautelares e prisões domiciliares. Outros 4 tiveram apenas mandados de condução coercitiva cumpridos.

Já na 2ª fase foram cumpridos 13 mandados de condução coercitiva e busca e apreensão, todos expedidos pela juíza Selma Rosane Santos Arruda, titular da 7ª Vara Criminal de Cuiabá responsável por ações que envolvam o Crime Organizado na Capital.

Além do crime de constituição de organização criminosa, também há indicativos da prática de peculato, lavagem de capitais e corrupção ativa. Entre os alvos dos mandados estão servidores do Tribunal de Contas e da Assembleia Legislativa, bem como funcionários do Sicoob e Faespe. 



// matérias relacionadas

Quarta, 20 de dezembro de 2017

16:53 - Juíza nega devolver documentos apreendidos da Faespe

Quarta, 13 de dezembro de 2017

17:26 - TJ mantém juíza Selma em processo contra oficial de justiça

15:50 - TJ revoga prisão de policial do Gaeco acusado de vazar informações

Terça, 12 de dezembro de 2017

11:46 - Juíza declina de competência e PM será julgado na Vara Militar

Segunda, 04 de dezembro de 2017

18:53 - Gaeco investiga contrato entre Faespe e empresa do DF

Quinta, 30 de novembro de 2017

12:53 - Assessor do deputado Maluf volta ser alvo do Gaeco; veja lista completa

08:58 - Servidor do TCE e esposa, ex-diretora da Faespe, são levados a depor - Siga

Quarta, 29 de novembro de 2017

15:12 - AL prorroga investigação sobre contrato de R$ 100 milhões com a Faespe

Sexta, 24 de novembro de 2017

10:28 - Ex-procurador de Cuiabá confirma que ajudou desviar R$ 1 milhão

Quinta, 23 de novembro de 2017

14:06 - Juíza ouve policial que vazou dados do Gaeco


// leia também

Terça, 16 de janeiro de 2018

10:32 - Justiça anula primeira matrícula de imóvel em ação bilionária em Sorriso

Segunda, 15 de janeiro de 2018

14:30 - Silval Barbosa diz que se arrepende e está se retratando

12:43 - Falta de CNH não presume culpa de condutor em acidente, decide TJ

12:30 - Presidentes do TRF4 e do STF discutem ameaças a desembargadores

12:00 - MPE investiga incentivos fiscais concedidos ao resort de Blairo no Manso

09:47 - Pronto-Socorro de Várzea Grande tem 60 dias para realizar adequações

Domingo, 14 de janeiro de 2018

08:15 - Saiba quem tem prioridade de tramitação processual

Sexta, 12 de janeiro de 2018

14:55 - MPE abre inquérito para investigar obras de reforma da Praça Ipiranga

11:42 - MPE apura esquema entre Silval Barbosa e a Petrobras

07:50 - MP quer obrigar Seduc a contratar auxiliares para alunos especiais