WhatsApp Twuitter

Quarta, 13 de setembro de 2017, 09h57

desembargador confirma

STF desmembra delação do ex-governador Silval em vários inquéritos

Janaiara Soares, repórter do GD


O presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT), desembargador Márcio Vidal, afirmou que já chegou ao seu conhecimento o desmembramento da delação premiada do ex-governador Silval Barbosa (PMDB) pelo ministro Luiz Fux do Supremo Tribunal Federal (STF) o que deve resultar em várias investigações envolvendo agentes públicos e políticos sem mandato e também autoridades com prerrogativa de foro. Com a separação, as investigações serão autorizadas em diferentes instâncias do Judiciário.

“Esses inquéritos já foram desmembrados. A quem não tem competência de foro já foi encaminhado a quem competia e tem autoridade para isso. Não é de um dia para outro que será julgado, tem que se aguardar o trabalho”, disse o desembargador em entrevista à Rádio Capital FM.

Divulgação/ TJMT

Márcio Vidal

O magistrado afirma que o TRE enviou um ofício à Procuradoria Regional Eleitoral com o intuito de instaurar uma investigação que pode culminar na cassação dos políticos com cargos públicos que foram acusados por Silval Barbosa de receberem propina para uso indevido em campanhas eleitorais, o que é considerado caixa 2.

“O TRE-MT já tomou providência nesse caso específico divulgado pela imprensa. Já oficiamos a Procuradoria Regional Eleitoral para providências cabíveis. O órgão vai examinar e se houver provas eventualmente vai propor ações, inclusive eventualmente para uma possível inelegibilidade, cassação. A PRE vai fazer essa análise e vai determinar o que pode ser feito”, relatou o desembargador.

Na delação bomba do peemedebista homologada pelo Supremo, existem vídeos e áudios de deputados estaduais e ex-deputados recebendo e negociando e recebendo propinas. No total, 15 dos 24 deputados da atual legislatura foram citados, além 3 ex-depuatdos que hoje são prefeitos eleitos no pleito de 2016.

“No conjunto tem várias ações. Tem ação de probidade, ações penais, e também no campo eleitoral. Se houve um ato indigno que vá respingar no sistema eleitoral, isso caberá a Procuradoria Regional Eleitoral verificar”, informa o magistrado.



// matérias relacionadas

Quinta, 21 de setembro de 2017

20:20 - Ex-chefe de gabinete de Silval diz que omitiu crimes em delação

15:20 - Botelho marca posse de Meraldo Sá na vaga de Fabris

10:15 - Deputados pretendem tirar o colega Gilmar Fabris da cadeia

Quarta, 20 de setembro de 2017

11:00 - Assembleia convoca deputados para avaliar 'estragos' após devassa da PF

10:30 - Presidente da AL exclui da Comissão de Ética deputados delatados por Silval

Terça, 19 de setembro de 2017

19:19 - Botelho aguarda ministro dizer se AL pode analisar prisão de Fabris

17:08 - Fórum Sindical pede afastamento de 10 deputados estaduais

16:30 - Sem pressa, Botelho descarta discutir prisão de Fabris nesta terça

16:15 - Antônio Joaquim recorre ao STF contra afastamento do cargo

15:01 - Vanessa Zago conduz inquérito de alvos de Silval


// leia também

Quinta, 21 de setembro de 2017

17:11 - OAB-MT vê com preocupação declarações de Taques contra Perri

16:51 - Em defesa de Perri, Amam pede para Taques ficar no seu 'quadrado'

16:18 - Desembargadora nega suspender prisão de Arcanjo em MT

15:51 - Ministro mantém prisão do coronel Zaqueu e a classifica como 'necessária'

08:59 - Justiça acata pedido do MPE e decreta indisponibilidade de bens de ex-prefeito

08:20 - Curvo diz que não há animosidade com Tribunal de Justiça

Quarta, 20 de setembro de 2017

19:36 - OAB-MT propõe criação de varas especiais para idosos

14:11 - Arcanjo chega à Justiça sob escolta de policiais federais

11:31 - Riva desiste de habeas corpus e reforça tese de que fez delação premiada

09:35 - João Arcanjo deixa PCE para depor contra Eliene na Justiça Federal