WhatsApp Twuitter

Quarta, 13 de setembro de 2017, 09h57

desembargador confirma

STF desmembra delação do ex-governador Silval em vários inquéritos

Janaiara Soares, repórter do GD


O presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT), desembargador Márcio Vidal, afirmou que já chegou ao seu conhecimento o desmembramento da delação premiada do ex-governador Silval Barbosa (PMDB) pelo ministro Luiz Fux do Supremo Tribunal Federal (STF) o que deve resultar em várias investigações envolvendo agentes públicos e políticos sem mandato e também autoridades com prerrogativa de foro. Com a separação, as investigações serão autorizadas em diferentes instâncias do Judiciário.

“Esses inquéritos já foram desmembrados. A quem não tem competência de foro já foi encaminhado a quem competia e tem autoridade para isso. Não é de um dia para outro que será julgado, tem que se aguardar o trabalho”, disse o desembargador em entrevista à Rádio Capital FM.

Divulgação/ TJMT

Márcio Vidal

O magistrado afirma que o TRE enviou um ofício à Procuradoria Regional Eleitoral com o intuito de instaurar uma investigação que pode culminar na cassação dos políticos com cargos públicos que foram acusados por Silval Barbosa de receberem propina para uso indevido em campanhas eleitorais, o que é considerado caixa 2.

“O TRE-MT já tomou providência nesse caso específico divulgado pela imprensa. Já oficiamos a Procuradoria Regional Eleitoral para providências cabíveis. O órgão vai examinar e se houver provas eventualmente vai propor ações, inclusive eventualmente para uma possível inelegibilidade, cassação. A PRE vai fazer essa análise e vai determinar o que pode ser feito”, relatou o desembargador.

Na delação bomba do peemedebista homologada pelo Supremo, existem vídeos e áudios de deputados estaduais e ex-deputados recebendo e negociando e recebendo propinas. No total, 15 dos 24 deputados da atual legislatura foram citados, além 3 ex-depuatdos que hoje são prefeitos eleitos no pleito de 2016.

“No conjunto tem várias ações. Tem ação de probidade, ações penais, e também no campo eleitoral. Se houve um ato indigno que vá respingar no sistema eleitoral, isso caberá a Procuradoria Regional Eleitoral verificar”, informa o magistrado.



// matérias relacionadas

Sexta, 17 de novembro de 2017

17:54 - Ong pede a PGR quer anule concessão de MT

Quinta, 16 de novembro de 2017

08:00 - Deputado 'doa' R$ 300 mil para a ex-mulher que é conduzida pela PF

Sábado, 11 de novembro de 2017

18:32 - Joaquim critica decisão de Dodge em manter afastamento de conselheiros

Sexta, 10 de novembro de 2017

20:18 - PGR precisa se manifestar em recurso de conselheiro

Quarta, 08 de novembro de 2017

18:24 - Assembleia tem competência para revogar prisão de deputado, diz relator

Terça, 07 de novembro de 2017

15:40 - Após aparecer nos vídeos de Silval, ex-deputado terá aposentadoria de R$ 30 mil

Segunda, 06 de novembro de 2017

19:41 - CPI assombra prefeito e vereador sofre pressão

11:38 - TRF-1 decide situação de Gilmar Fabris na quarta

10:41 - Após prisão, Fabris se diz menos arrogante e mais apegado a Deus

08:00 - Bussiki quer instaurar CPI do Paletó e convocar ex-governador Silval e aliado


// leia também

Domingo, 19 de novembro de 2017

13:13 - Assaí terá que pagar R$ 10 mil em multa por cada funcionário assediado

08:55 - Juíza concede mais 10 dias de prazo aos réus por fraudes na Seduc

Sábado, 18 de novembro de 2017

08:00 - Delação de Pedro Nadaf cita aliados de Silval, de Taques e deputados

Sexta, 17 de novembro de 2017

16:27 - Ministro nega liberdade a acusado de fraudar processo da morte de juiz

14:33 - Justiça condena 4 ex-servidores da Sefaz envolvidos na 'máfia do fisco'

12:05 - TJ manda Estado incorporar perdas da URV aos salários de investigadores

10:34 - Maior parte da delação sigilosa de Nadaf está na 7ª Vara Criminal

Quinta, 16 de novembro de 2017

18:26 - Cerca de 2 mil advogados de MT podem ser suspensos por inadimplência junto à OAB

16:33 - TJ não obriga Pedro Taques aposentar Antonio Joaquim do TCE

15:50 - TJ nega recurso do MPE e não afasta prefeita e deputado em MT