WhatsApp Twuitter

Terça, 12 de setembro de 2017, 15h32

Operação Rêmora

Réus por fraudes na Seduc são investigados por improbidade

Celly Silva, repórter do GD


O Ministério Público Estadual (MPE) instaurou inquérito civil público contra o Estado de Mato Grosso, os empresários Alan Ayoub Malouf e Giovani Belatto Guizardi, o ex-secretário de Estado de Educação Permínio Pinto (PSDB), o ex-servidor comissionado Fábio Frigeri e o servidor afastado Wander Luiz dos Reis, réus na operação Rêmora, para apurar atos de improbidade administrativa e danos aos cofres públicos ocorridos por meio das fraudes que já são alvo de uma ação penal que tramita na 7ª Vara Criminal.

Chico Ferreira/Otmar de Oliveira

Alan Malouf, Giovani Guizardi, Permínio Pinto e Fábio Frigeri são investigados 

A portaria, assinada pelo promotor de Justiça Henrique Schneider Neto, da 36ª Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa, foi publicada no final de agosto e determina prazo de um ano para conclusão das investigações. Ao final das apurações, os acusados devem responder a um novo processo, dessa vez, na esfera cível.

Nesse caso, se condenados, os alvos terão que pagar multa, devolver os valores referentes ao prejuízo causado ao Estado, podem ter seus direitos políticos suspensos e até perder o cargo público, no caso de Wander Reis, que é servidor de carreira.

A representação que motivou o inquérito partiu do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), responsável pela deflagração da operação Rêmora, em maio de 2016. Na época, a investigação apontou fraude em licitações de obras de construção e reforma de escolas estaduais em Cuiabá e no interior do estado, orçadas em R$ 56 milhões.


Wander Reis também é investigado

No entanto, uma auditoria da Controladoria Geral do Estado (CGE) nos contratos apontou que foram efetivamente licitadas obras no montante de R$ 21,5 milhões, dos quais foram executados 17%, o equivalente a R$ 3,7 milhões. Diante disso, o dano potencial aos cofres públicos, segundo a CGE, é de R$ 370 mil a R$ 400 mil. 



// matérias relacionadas

Segunda, 18 de dezembro de 2017

15:51 - Desembargador nega retirar tornozeleira de Alan Malouf

Domingo, 19 de novembro de 2017

08:55 - Juíza concede mais 10 dias de prazo aos réus por fraudes na Seduc

Terça, 14 de novembro de 2017

18:02 - Justiça mantém obrigação de Alan Malouf usar tornozeleira

Terça, 24 de outubro de 2017

14:10 - Juíza envia processo à PGR para investigar autoridades

10:08 - Mesmo com vida abastada, ganância levou Malouf a liderar crimes na Seduc

Segunda, 23 de outubro de 2017

23:00 - Empresário Alan Malouf é condenado a 11 anos de prisão por corrupção na Seduc

Sexta, 20 de outubro de 2017

15:56 - Juíza nega prazo e diz que defesas tentam atrasar sentença

Quarta, 11 de outubro de 2017

15:00 - Guilherme Maluf nega envolvimento em corrupção na Seduc

11:24 - MPE denuncia Guilherme Maluf como líder do esquema de propina na Seduc

09:53 - Juíza não envia processo ao Superior Tribunal de Justiça


// leia também

Segunda, 22 de janeiro de 2018

09:46 - Eder Moraes é alvo de novo sequestro de bem

07:30 - Silval não teme ser morto, mas mantém segurança reforçada e carro blindado

Sábado, 20 de janeiro de 2018

08:05 - Transsexual consegue mudar o nome masculino para feminino e o gênero

08:00 - Operário aparece bêbado no serviço, xinga todo mundo e leva justa causa

07:50 - Auxílio-alimentação só é considerado salário se não houver contrapartida do trabalhador

Sexta, 19 de janeiro de 2018

13:53 - Juiz de Colniza se declara suspeito para julgar réus por morte de prefeito

11:53 - MPE ingressa com ação para Paranaíta ofertar vagas em creches

10:08 - TJ aumenta indenização que clínica odontológica terá que pagar a paciente

07:00 - MPE entra com ação para impedir suspensão de serviços em hospital

Quinta, 18 de janeiro de 2018

18:15 - Por suspeita de fraude, MPE exige anulação de concurso em Alto Garças