WhatsApp Twuitter

Quarta, 13 de setembro de 2017, 15h15

bens devolvidos como fiança

Juíza nega julgar permanência de arrendatária em fazendas de Silval

Celly Silva, repórter do GD


A juíza Selma Arruda, titular da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, rejeitou o embargo em caráter liminar (provisório) proposto pela agricultora Beatriz Meinerz, arrendatária de duas das fazendas do irmão do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), Antônio da Cunha Barbosa Filho, que foram oferecidas como parte da fiança que ele pagou para deixar o Centro de Custódia da Capital (CCC), em junho deste ano, após quase dois anos preso. 

Chico Ferreira

Fazendas foram entregues como fiança por Silval

No pedido liminar, a agricultora pediu que constasse nos editais de leilão das propriedades que as mesmas estão arrendadas até agosto de 2018, já que ela teria firmado contrato para a safra 2017/2018. Meinerz solicitou também que fosse reconhecido o seu direito de permanecer nos imóveis até o fim do prazo de arrendamento.

As fazendas Lagoa Dourada I e Serra Dourada II fazem parte do rol de bens para perdimento e posterior ressarcimento ao erário público estadual, nos processos em que Silval Barbosa responde junto à 7ª Vara Criminal, nas ações decorrentes das operações Sodoma e Seven.

Localizadas em Peixoto de Azevedo (691 Km ao Norte de Cuiabá), as fazendas somam uma extensão de 5,3 mil hectares e uma avaliação de R$ 43,5 milhões. 

Leia também - Ex-governador Silval 'perde' avião, fazendas e apartamento - Veja lista de bens

Em sua decisão, proferida no último 4 e publicada nesta quarta-feira (13), a magistrada apontou contradição nos contratos de arrendamento apresentados pela embargante (uma vez que levando-se em consideração a quantidade de safras, o vencimento ocorreria apenas no próximo ano) e as informações prestadas pela defesa de Silval e Antônio Barbosa, que afirmam que o contrato de arrendamento vence no próximo dia 30.

Selma Arruda também registrou que os argumentos da arrendatária estão baseados no Código de Processo Civil (CPC) e que a aplicação de analogia ao Código do Processo Penal (CPP) somente é cabível quando houver omissão no CPP em relação ao assunto tratado, o que não é o caso.

Por conta disso, a juíza afirmou que a questão “não pode e nem deve ser dirimida neste Juízo” e destacou que ser ajuizada em outra ação na esfera cível.



// matérias relacionadas

Quinta, 26 de outubro de 2017

12:32 - Terreno de R$ 13,5 milhões pago por Zílio com propina vai a leilão

08:50 - Nadaf diz que viu Jandir Milan entregar pacote com R$ 400 mil a Silval

Terça, 24 de outubro de 2017

15:21 - Apartamento de luxo de Pedro Nadaf vai a leilão

Quinta, 19 de outubro de 2017

19:06 - Valdir Piran se livra da tornozeleira eletrônica

Quarta, 18 de outubro de 2017

14:53 - Advogado que mentiu à juíza na Sodoma se livra de ação

Terça, 17 de outubro de 2017

14:10 - Ex-mulher de Marcel Cursi o aciona na Justiça para reaver imóvel

Terça, 10 de outubro de 2017

11:27 - Juíza nega impedir Ana Bardusco de atuar na Sodoma

Sexta, 06 de outubro de 2017

13:13 - Juiz autoriza filho de Silval a viajar para praia

Quarta, 04 de outubro de 2017

19:45 - Turma de Silval Barbosa vai continuar em liberdade

Segunda, 02 de outubro de 2017

20:12 - Réu por corrupção, procurador faz delação


// leia também

Quinta, 23 de novembro de 2017

17:45 - MPE investiga sobrepreço de R$ 5,1 milhões em obra

16:06 - Estado é intimado em processo por causa de atraso salarial

15:04 - Viúva de ex-secretário-geral da ALMT é interrogada

14:06 - Juíza ouve policial que vazou dados do Gaeco

11:57 - 'Se deixar ele vende até o Estado', alertou Silval sobre Chico Lima

10:10 - TRT inocenta empresa de acidente que deixou trabalhador com sequelas

09:58 - Fazenda paga R$ 700 mil de multa e juiz destina para entidades de Sapezal

09:37 - MPE denuncia 99 por venda de carteiras de habilitação em MT e Goiás

Quarta, 22 de novembro de 2017

17:30 - Fraude na desapropriação no Renascer foi de R$ 21 milhões, diz Nadaf

15:34 - Juízes vão ao STF contra imunidade para deputados de MT