WhatsApp Twuitter

Quarta, 13 de setembro de 2017, 15h15

bens devolvidos como fiança

Juíza nega julgar permanência de arrendatária em fazendas de Silval

Celly Silva, repórter do GD


A juíza Selma Arruda, titular da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, rejeitou o embargo em caráter liminar (provisório) proposto pela agricultora Beatriz Meinerz, arrendatária de duas das fazendas do irmão do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), Antônio da Cunha Barbosa Filho, que foram oferecidas como parte da fiança que ele pagou para deixar o Centro de Custódia da Capital (CCC), em junho deste ano, após quase dois anos preso. 

Chico Ferreira

Fazendas foram entregues como fiança por Silval

No pedido liminar, a agricultora pediu que constasse nos editais de leilão das propriedades que as mesmas estão arrendadas até agosto de 2018, já que ela teria firmado contrato para a safra 2017/2018. Meinerz solicitou também que fosse reconhecido o seu direito de permanecer nos imóveis até o fim do prazo de arrendamento.

As fazendas Lagoa Dourada I e Serra Dourada II fazem parte do rol de bens para perdimento e posterior ressarcimento ao erário público estadual, nos processos em que Silval Barbosa responde junto à 7ª Vara Criminal, nas ações decorrentes das operações Sodoma e Seven.

Localizadas em Peixoto de Azevedo (691 Km ao Norte de Cuiabá), as fazendas somam uma extensão de 5,3 mil hectares e uma avaliação de R$ 43,5 milhões. 

Leia também - Ex-governador Silval 'perde' avião, fazendas e apartamento - Veja lista de bens

Em sua decisão, proferida no último 4 e publicada nesta quarta-feira (13), a magistrada apontou contradição nos contratos de arrendamento apresentados pela embargante (uma vez que levando-se em consideração a quantidade de safras, o vencimento ocorreria apenas no próximo ano) e as informações prestadas pela defesa de Silval e Antônio Barbosa, que afirmam que o contrato de arrendamento vence no próximo dia 30.

Selma Arruda também registrou que os argumentos da arrendatária estão baseados no Código de Processo Civil (CPC) e que a aplicação de analogia ao Código do Processo Penal (CPP) somente é cabível quando houver omissão no CPP em relação ao assunto tratado, o que não é o caso.

Por conta disso, a juíza afirmou que a questão “não pode e nem deve ser dirimida neste Juízo” e destacou que ser ajuizada em outra ação na esfera cível.



// matérias relacionadas

Quarta, 13 de setembro de 2017

15:24 - Estado não é capaz de avaliar avião de Silval

Terça, 05 de setembro de 2017

11:57 - Silval e comparsas viram réus e têm contas bloqueadas em R$ 2,5 mi

Segunda, 04 de setembro de 2017

09:44 - Primeira condenação de Silval Barbosa será proferida neste mês, afirma juíza

Quinta, 31 de agosto de 2017

13:46 - MPE quer ex-secretário de Silval e procurador de volta na cadeia

Segunda, 28 de agosto de 2017

14:37 - Delação de Silval pode envolver ministro do STF, acredita jurista

Quarta, 23 de agosto de 2017

14:53 - MPE pede que juíza não acate mandado de segurança de Faiad

Segunda, 21 de agosto de 2017

15:30 - Juíza intima ex-governador Silval a entregar avião ao Estado

Sexta, 18 de agosto de 2017

19:33 - Supremo homologa delações de filho e ex-assessor de Silval

Quinta, 17 de agosto de 2017

20:10 - Juíza parte para tudo ou nada em ação da Sodoma

19:33 - Delação de Silval traz repórter da Globo a MT


// leia também

Quinta, 21 de setembro de 2017

17:11 - OAB-MT vê com preocupação declarações de Taques contra Perri

16:51 - Em defesa de Perri, Amam pede para Taques ficar no seu 'quadrado'

16:18 - Desembargadora nega suspender prisão de Arcanjo em MT

15:51 - Ministro mantém prisão do coronel Zaqueu e a classifica como 'necessária'

08:59 - Justiça acata pedido do MPE e decreta indisponibilidade de bens de ex-prefeito

08:20 - Curvo diz que não há animosidade com Tribunal de Justiça

Quarta, 20 de setembro de 2017

19:36 - OAB-MT propõe criação de varas especiais para idosos

14:11 - Arcanjo chega à Justiça sob escolta de policiais federais

11:31 - Riva desiste de habeas corpus e reforça tese de que fez delação premiada

09:35 - João Arcanjo deixa PCE para depor contra Eliene na Justiça Federal