WhatsApp Twuitter

Quarta, 13 de setembro de 2017, 15h31

Parados ao relento

MP abre inquérito para apurar se vagões do VLT recebem manutenção

Karine Miranda, repórter do GD


O promotor de Justiça da 36ª Promotoria de Defesa do Patrimônio Público, Henrique Schneider Neto, determinou a instauração de um inquérito civil para apurar se as empresas que compõem o Consórcio VLT estão cumprindo ou não a determinação de guarda e manutenção do material rodante (vagões) do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT).

De acordo com o promotor, o inquérito vai atender a uma representação feita no Ministério Público do Estado e relação à decisão do Juiz Federal da 1ª Vara/MT, Ciro José de Andrade Arapiraca, que autorizou a suspensão do contrato de implantação do VLT e determinou a comprovação das perfeitas condições de uso do modal.

Mayke Toscano/Gcom-MT

Inquérito vai apurar se vagões do VLT estão tendo manutenção

Na ocasião, o magistrado decidiu que o consórcio demonstrasse a realização de medidas de correção de eventuais falhas, defeitos ou faltas nas conexões dos carros (material rodante), “ou seja, que comprove as perfeitas condições de uso dos equipamentos necessários à regular e ideal utilização destes em eventual implantação do modal, obrigação que deve perdurar até o encerramento do prazo contratual”, disse o magistrado na época.

Leia mais - Contrato do VLT é suspenso por mais 30 dias

Por isso, o promotor determinou a instauração do inquérito que tem prazo de um ano para conclusão. “Considerando a representação n° 000732-023/2017, cujo objeto é a verificação do cumprimento de medida judicial que determinou a guarda e manutenção do material rodante do VLT, enquanto o contrato n° 037/2012/SECOPA encontra-se suspenso”, diz trecho da portaria.

VLT – Atualmente o contrato do VLT está suspenso após o governador Pedro Taques (PSDB) ter solicitado à Justiça o rompimento definitivo das negociações para um acordo de retomada das obras do modal.

Leia mais - Governo rompe de vez as negociações com Consórcio VLT Cuiabá

O motivo foi o suposto pagamento de propina por empresas componentes do Consórcio VLT a agentes públicos estaduais no período de 2012 a 2014, conforme revelado durante a Operação Descarrilo da Polícia Civil.

Leia mais - PF cumpre 18 mandados em 5 estados por causa de propina no VLT

A obra do VLT foi paralisada há dois anos por determinação judicial e previa duas linhas, totalizando uma extensão de 22 quilômetros entre Cuiabá e Várzea Grande. Apenas um trecho em Várzea Grande teve os trilhos instalados.

Ao todo, R$ 1,2 bilhão foram investidos pelo Estado, sendo R$ 420 milhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e mais R$ 727 milhões da Caixa Econômica Federal.

A previsão era de que, com acordo entre Estado e Consórcio – já desfeito -, as obras seriam concluídas em até 24 meses ao custo de R$ 922 milhões. Com o contrato suspenso, não há previsão de retomada das obras.



// matérias relacionadas

Segunda, 30 de outubro de 2017

19:17 - MPE aciona prefeito e quer detalhes sobre plantio de palmeiras

Terça, 24 de outubro de 2017

17:51 - Wilson apresenta a Taques as saídas para o VLT

Terça, 17 de outubro de 2017

16:50 - Wilson Santos admite que VLT não ficará pronto nesta gestão

Quinta, 05 de outubro de 2017

09:40 - Após 4 anos de alagamentos, começa obra de drenagem no Viaduto da UFMT

Quarta, 04 de outubro de 2017

18:01 - Interdição da Tancredo Neves é adiada por falta de projeto de sinalização viária

Segunda, 02 de outubro de 2017

15:19 - Governo instaura processo para rescindir o contrato do VLT

Segunda, 11 de setembro de 2017

10:43 - Contrato do VLT é suspenso por mais 30 dias

Segunda, 28 de agosto de 2017

17:40 - Consórcio VLT não aceita romper negociações e detona delação de Silval

Sexta, 25 de agosto de 2017

20:07 - Governo rompe de vez as negociações com Consórcio VLT Cuiabá

Sexta, 18 de agosto de 2017

14:56 - Presidente da Caixa defende retomada do VLT em Cuiabá e VG


// leia também

Domingo, 19 de novembro de 2017

13:13 - Assaí terá que pagar R$ 10 mil em multa por cada funcionário assediado

08:55 - Juíza concede mais 10 dias de prazo aos réus por fraudes na Seduc

Sábado, 18 de novembro de 2017

08:00 - Delação de Pedro Nadaf cita aliados de Silval, de Taques e deputados

Sexta, 17 de novembro de 2017

16:27 - Ministro nega liberdade a acusado de fraudar processo da morte de juiz

14:33 - Justiça condena 4 ex-servidores da Sefaz envolvidos na 'máfia do fisco'

12:05 - TJ manda Estado incorporar perdas da URV aos salários de investigadores

10:34 - Maior parte da delação sigilosa de Nadaf está na 7ª Vara Criminal

Quinta, 16 de novembro de 2017

18:26 - Cerca de 2 mil advogados de MT podem ser suspensos por inadimplência junto à OAB

16:33 - TJ não obriga Pedro Taques aposentar Antonio Joaquim do TCE

15:50 - TJ nega recurso do MPE e não afasta prefeita e deputado em MT