WhatsApp Twuitter

Sexta, 14 de setembro de 2018, 07h53

Política de MT

Silval contradiz delação ao negar sociedade com Mauro Mendes

Lázaro Thor Borges, repórter de A Gazeta


Trechos da delação de Silval Barbosa contrariam o que disse o próprio ex-governador nesta quarta-feira (12), quando negou ter sido sócio de Mauro Mendes (DEM), candidato ao governo do Estado. Em conversa com a imprensa, Silval rebateu o que tem afirmado o governador Pedro Taques (PSDB) em sua campanha à reeleição.

João Vieira

Silval Barbosa

“O meu irmão teve participação com ele [Mauro Mendes]. Eu nunca fui sócio do Mauro. Isso está em um dos anexos [da delação]”, disse o ex-governador, pontuando ainda que não está atuando na campanha eleitoral deste ano e que sequer poderá votar, já que está com os direitos políticos suspensos. “Eles podem falar o que quiserem, eu estou totalmente fora da campanha”, enfatizou.

Leia também - TRE suspende programa de Mendes que acusa Taques de atrasar salários

Depoimentos prestados por Silval em maio de 2017 ao Ministério Público Federal (MPF), no entanto, dão conta de que ele e Mauro Mendes compraram, juntos, uma fazenda em Nossa Senhora do Livramento, onde funcionava um garimpo de ouro, além de uma aeronave avaliada em R$ 4,8 milhões, cuja metade deste valor foi pago com dinheiro de propina.

Nos dois casos, Silval cita as palavras “sócio” e “sociedade” para se referir a Mendes e os demais membros do grupo.

No anexo 60 da delação, Silval diz que, entre 2012 e 2013, intercedeu a compra da área de garimpo conhecida como Fazenda Ajuricaba a pedido de Mauro Mendes. O então governador foi até Goiânia conversar com o proprietário da terra, Aníbal Crosara Júnior. Ficou acertado, na época, que Mendes e outros sócios teriam “prioridade” na compra. Em troca, a empresa de Aníbal, a Construtora Emsa, também teria prioridade em negócios com o governo de Mato Grosso.

Chico Ferreira

A terra, ainda segundo a delação de Silval, foi comprada por R$ 20 milhões em nome de Mauro Mendes e dos empresários Valdinei de Souza e Wanderley Torres, assim como do ex-secretário de Estado José Lacerda e de Antônio Barbosa, irmão de Silval.

No depoimento, o exgovernador detalha que a parte de seu irmão, 25%, também lhe beneficiava. Diz ainda que Mauro Mendes e Valdinei de Souza ficaram com 50%, Wanderley Torres com 20% e José Lacerda com 5%.

Silval relata que, logo após a compra da terra, se juntou a Mendes e Valdinei para adquirir um avião. Metade do valor foi pago pelo próprio Silval com, conforme seu depoimento, dinheiro de propina de uma construtora que atuava no Estado e era beneficiada pelo programa MT Integrado.

A partir da aquisição do imóvel uma sucessão de negociatas ocorreu, segundo o narrado por Silval, culminando na venda para Mauro Mendes e Wanderley Torres a parte das terras que cabia aos outros sócios.



// matérias relacionadas

Sexta, 14 de setembro de 2018

16:50 - Silval, Eder, Riva e ex-conselheiros são interrogados sobre compra de vaga no TCE

Terça, 11 de setembro de 2018

13:42 - MPF denuncia Silval, Riva, Eder e mais 4 por crimes contra o sistema financeiro

10:00 - STF mantém suspensa aposentadoria do conselheiro Antonio Joaquim

Quarta, 05 de setembro de 2018

14:43 - Juiz quer saber se Eder violou tornozeleira e pode decretar nova prisão

Sexta, 10 de agosto de 2018

13:45 - Novacki nega tentativa de obstrução e pede para depor na Ararath

Quarta, 08 de agosto de 2018

14:53 - Colunista social que divulgou áudios de 'cobranças' tenta conciliação com Riva

Sexta, 03 de agosto de 2018

13:57 - Justiça nega absolvição de empresário réu na Ararath

Quarta, 01 de agosto de 2018

11:38 - Sócio da São Benedito tem 10 dias para responder ação da Ararath

Terça, 31 de julho de 2018

13:58 - Juiz rejeita incidente de insanidade mental e mantém empresário como réu

Domingo, 22 de julho de 2018

10:44 - Defesa de conselheiro afastado do TCE pede investigações


// leia também

Sábado, 15 de setembro de 2018

09:57 - PF prende o desembargador Evandro Stábile por determinação do STJ

Sexta, 14 de setembro de 2018

14:01 - Tenente Ledur tratava pelotão como lixo, afirma soldado em depoimento

Quinta, 13 de setembro de 2018

19:20 - TJ decide que governo não é obrigado a pagar emendas impositivas

17:16 - Defesa diz que Maggi não apagou mensagens de celular e que PF pode ter forjado provas

16:25 - Juiz mantém veículo de luxo bloqueado e ex-secretário de Silval não pode transferir

14:53 - Vendedor de jogo do bicho concorrente de Arcanjo confirma agressão

09:45 - Fux mantém inquérito contra Bezerra no STF e prorroga investigação por 90 dias

Quarta, 12 de setembro de 2018

10:14 - Promotores de Justiça são absolvidos de acusação de corrupção em Cuiabá

Terça, 11 de setembro de 2018

16:24 - Médica Letícia Bortolini é denunciada por 4 crimes pela morte de verdureiro

10:06 - MPE investiga agente acusado de vender celulares a presos