WhatsApp Twuitter

Quarta, 13 de setembro de 2017, 11h38

política de mt

Beneficiados pela JBS, Fagundes e Galli investigam empresa em CPMI

Celly Silva, repórter do GD


Beneficiados pelo grupo JBS com doações na campanha eleitoral de 2014, o senador Wellington Fagundes (PR) e o deputado federal Victório Galli (PSC) agora fazem parte da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga irregularidades cometidas em negociações feitas entre a holding J&F e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Chico Ferreira/João Vieira

Deputado Victório Galli e senador Wellington Fagundes

Conforme o Gazeta Digital já divulgou em maio, Fagundes e Galli são, respectivamente os políticos mato-grossenses que mais e menos receberam doações dos irmãos Joesley e Wesley Batista, presos nesta semana por uso indevido de informações privilegiadas para fazer transações no mercado financeiro.

De acordo com a delação premiada do executivo do grupo J&F Ricardo Saud, também preso por crimes financeiros, as doações a políticos eram propinas disfarçadas, uma forma encontrada pela empresa para obter apoio do Legislativo quando fosse necessário.

Na época, o senador Wellington Fagundes recebeu cinco doações que totalizaram R$ 1,85 milhão, sendo duas da marca Seara - uma de R$ 200 mil e outra de R$ 250 mil. Outras três doações chegaram por meio da JBS S/A, sendo duas de R$ 500 mil e uma de R$ 400 mil. Todos os pagamentos ocorreram em cheques, mediados pelo diretório nacional do Partido Republicano (PR).

O deputado federal Victório Galli, por sua vez, recebeu R$ 30 mil em doações da JBS S/A, intermediadas pelo diretório estadual do partido.

Leia também - JBS doou R$ 4,223 milhões a políticos de Mato Grosso

Além de Galli e Fagundes, outros dois parlamentares também compõem a CPMI da JBS. São eles o senador Cidinho Santos (PR), que compõe o bloco moderador juntamente com Wellington, ambos como titulares e o senador José Medeiros (Podemos) como suplente do bloco parlamentar democracia progressista. Victório Galli é titular na ala da Câmara dos Deputados.

Conforme informações da Câmara Federal, desde sua criação, já foram apresentados à CPMI mais de 130 requerimentos de audiências, como a convocação de Joesley e Wesley Batista e Ricardo Saud. Outros pedidos citam os ex-presidentes Luís Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff (ambos PT), dos ex-ministros José Eduardo Cardozo e Guido Mantega, do ex-presidente da Câmara de Deputados Eduardo cunha (PMDB) e do ex-procurador da República Marcelo Miller.

Leia também - Grupo JBS doou R$ 4 milhões para membros de CPI

O grupo J&F, dirigido pelos irmãos Joesley e Wesley Batista, controla o frigorífico JBS e outras companhias. A CPMI vai apurar as operações da holding com o BNDES ocorridas entre os anos de 2007 e 2016. A comissão de deputados e senadores investigará também o acordo de colaboração premiada do Ministério Público Federal com executivos das empresas.



// matérias relacionadas

Quinta, 18 de janeiro de 2018

16:30 - Empresário que incriminou ex-gerente da Transpetro é assassinado

09:05 - MP-RJ pede transferência de Cabral para presídio em Curitiba

Quarta, 17 de janeiro de 2018

11:30 - RS quer fechar prédios públicos para julgamento de Lula

08:29 - Defesa de Lula pretende usar despacho de Moro em sustentação oral

Terça, 16 de janeiro de 2018

10:28 - Gleisi Hoffmann acusa TRF-4 de criar cortina de fumaça

09:08 - Recurso de Lula mobiliza juízes por mais segurança

Segunda, 15 de janeiro de 2018

11:47 - PF abre novos inquéritos contra três ex-ministros

Quarta, 10 de janeiro de 2018

11:43 - Ex-diretor da JBS depõe hoje na PF; Janot também é chamado

08:40 - Lula não deve ir a porto alegre no dia do julgamento

08:15 - Caixa mantém executivos ligados a Eduardo Cunha e Geddel Vieira Lima


// leia também

Quinta, 18 de janeiro de 2018

19:32 - Após prisões e processos, Silval 'ajudará' acabar com corrupção endêmica - veja vídeo

15:50 - Silval Barbosa evita receber visitas por medo de pessoas de 'má-fé'

12:04 - TRE prorroga revisão do eleitorado para 30 de março em Cuiabá, VG e Sinop

11:29 - Aliança não é eterna, diz Fábio Garcia sobre apoio a Taques

11:09 - Pedro Taques diz estar tranquilo sobre CPI dos Fundos para investigar governo

11:00 - Governador empossa novos titulares da Secretaria de Fazenda e PGE

07:30 - Silval Barbosa afirma não sentir culpa pelo atraso do VLT

Quarta, 17 de janeiro de 2018

19:30 - Pedro Taques avisa que Estado não vai liberar recursos para Carnaval

17:26 - Governador Taques busca liberação de R$ 100 milhões para a saúde

15:30 - Depoimentos de Silval à CGE respingam em 106 empresas e vários servidores