WhatsApp Twuitter

Segunda, 10 de setembro de 2018, 07h27

FAKE NEWS

Representações contra conteúdo crescem em 2018

Lázaro Thor Borges, repórter de A Gazeta


Candidatos iniciaram em 2018 uma verdadeira devassa contra as chamadas fake news neste ano eleitoral. Segundo dados do projeto da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), políticos de Mato Grosso foram responsáveis pelo aumento de 42% no número de representações contra conteúdo publicado na internet, em redes sociais e no meio impresso do estado.

Gazeta Digital

O número de ações deste tipo saltou de 7 para 10 processos neste ano em relação a 2017. O levantamento é feito pelo projeto Ctrl X da Abraji, que identifica tentativas de políticos, empresários e servidores públicos de apagar conteúdo publicado sobre eles.

Leia também - Eles são o plano A, plano B e o plano C do agronegócio, afirma Aladir Leite

Dos 10 processos de 2018, sete foram movidos por políticos que se candidataram à reeleição. O maior alvo, nestes casos, foi o Facebook, por conta da publicação de informações consideradas falsas.

O candidato que entrou com o maior número de representações foi o deputado federal Nilson Leitão (PSDB), candidato ao Senado este ano. Ele é autor de três processos para retirada de conteúdo, Max Russi (PSB) e Zeca Viana (PDT) são autores de dois processos cada um.

No caso de Nilson, o deputado contestou publicações na página Mato Grosso é Para Todos que teriam sido usadas para denegrir sua imagem. O caso ainda não teve sentença disponível, mas é provável que se siga o entendimento das decisões favoráveis ao parlamentar em processos anteriores.

Em outro processo, Leitão requer a suspensão de um perfil, também no Facebook, intitulado João Maguila, onde sua imagem é “denegrida” por publicações em que ele é apontado como ficha suja. Nesta ação, o juiz Mário Roberto Kono de Oliveira, do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), determinou a exclusão do conteúdo e publicação de um novo material com a defesa do parlamentar.

Um pouco fora do perfil destas representações foi o caso do ex-secretário de Educação Marco Marrafon, candidato a deputado federal este ano. Marrafon acionou o blog Diário do Centro do Mundo por conta de uma publicação em que o site revela que o apresentador Luciano Huck doou R$ 50 mil para a sua campanha.

O ex-secretário pediu direito de resposta e a suspensão do conteúdo porque a matéria indicava que ele havia sido exonerado da Seduc por conta de esquemas de fraude em licitação na pasta. O juiz Paulo Cézar Sodré, também do TRE-MT, deferiu parcialmente o pedido solicitando a retirada da reportagem.

Apesar de a maioria dos casos se tratar de conteúdo nativo das redes sociais, a Abraji alerta que estes processos podem ferir fortemente a liberdade de expressão da imprensa e o judiciário poderá retirar do ar conteúdos verdadeiros.

“Ao pretender desempenhar um papel que não é seu - o de decidir se um conteúdo é verdadeiro - , o judiciário pode mirar na mentira e acertar a verdade, retirando do debate público muito mais do que as ‘notícias falsas’ e fulminando com balas perdidas o que nos resta de liberdade de imprensa e democracia”, diz trecho do comunicado da Abraji. Segundo a Abraji, o conceito de “fake news” pode ser usado por políticos para retirar tudo que os incomodam e que está publicado na imprensa.



// matérias relacionadas

Domingo, 16 de setembro de 2018

08:33 - Wellington Fagundes deve R$ 1,2 milhão por campanha

Sábado, 15 de setembro de 2018

18:30 - Wellington Fagundes angaria mais apoios no Araguaia

16:20 - Jayme, Mauro e Fávaro assumem compromisso de resgatar perdas de Lei Kandir

15:45 - Carlos Fávaro afirma que cadeia produtiva deve ser priorizada

15:30 - MT tem muita potencialidade, mas está adormecido por incompetência, avalia Mauro

15:00 - Cuiabania ouve propostas do governador Pedro Taques

14:30 - Valtenir percorre 16 municípios do Araguaia a partir deste sábado

13:44 - Janaina Riva passa mal e suspende agenda em Juara

08:26 - Waldir Caldas quer mudança na forma de financiamento da educação

08:00 - Mendes promete recuperar nome da PM após escândalo dos grampos ilegais


// leia também

Domingo, 16 de setembro de 2018

09:56 - Pesquisas não influenciam na hora do voto, garantem eleitores

08:28 - Empresa alvo da Operação Catarata terá de oferecer pós-operatório

08:22 - Após um ano, só uma ação de Operação Malebolge foi proposta

Sexta, 14 de setembro de 2018

19:54 - TRE ignora impugnação de adversários e defere candidatura de Pedro Taques

18:55 - Taques intensifica campanha no Araguaia neste final de semana

17:53 - Wellington Fagundes defende a Universidade Federal do Araguaia

17:15 - TRE manda Youtube excluir vídeo que denigre imagem de Carlos Bezerra

15:39 - Fávaro chama Leitão de oportunista e afirma unidade no grupo

15:16 - MPE defende que Selma Arruda tenha apenas 7 segundos de propaganda na TV

13:05 - Conclusão do novo Pronto-Socorro é prioridade de Temer, afirma Carlos Marun