WhatsApp Twuitter

Quinta, 06 de julho de 2017, 08h59

Custo alto

Novo modelo do setor elétrico pode levar a aumento de até 7% na conta de luz


O novo modelo do setor elétrico apresentado pelo MME (Ministério de Minas e Energia) pode gerar custos mais altos para o consumidor. A estimativa é que, se todas as usinas forem privatizadas de uma só vez, poderia haver impacto de até 7% na conta de luz. Por isso, a proposta é que esse movimento seja gradual, diluindo os efeitos tarifários.

Hoje, o consumidor paga um valor baixo pela energia dessas usinas, o que contribui para conter os reajustes tarifários. Esse valor é tabelado e definido pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

Se essas usinas forem privatizadas, o consumidor vai pagar mais, ou seja, preço de mercado, por essa mesma energia. Porém, um terço dos recursos obtidos com a venda retornaria para a conta de luz, abatendo custos da CDE (Conta de Desenvolvimento Energético), fundo setorial que banca subsídios e programas sociais.

"Por um lado, esse movimento teria implicações tarifárias para os consumidores regulados. Por outro lado, alocaria melhor o risco da geração e distribuiria parte da renda hidráulica a todos os consumidores via CDE, além de representar aumento da flexibilidade do portfólio e preços mais realistas", diz o documento.


"Não obstante, mesmo que todo o volume de cotas das usinas prorrogadas, que são mais baratas, fosse descontratado de uma única vez e substituído por contratos com preço de R$ 200/MWh, o impacto nas tarifas dos consumidores regulados seria de no máximo 7%, considerando-se os níveis atuais de receita das distribuidoras e excluindo-se desse efeito o benefício decorrente da menor exposição ao risco hidrológico e da redução do encargo de CDE", acrescenta.

Para evitar esse potencial aumento, a proposta do governo é diluir esses efeitos tarifários ao longo dos anos. No documento, o MME defende a posição de que a maior parte da renda da venda dessa energia deveria ficar com o setor elétrico, ou seja, com o consumidor.

"Novamente, esse movimento atenderia melhor aos objetivos do MME se a maior parte dessa renda ficasse com o setor elétrico, readequando decisões alocativas associadas à renda hidráulica, que em 2013 ficou concentrada no mercado regulado, com concomitante redução na exposição ao risco dos consumidores", afirma o documento.

"De qualquer forma, na hipótese de se desejar uma diluição dos efeitos tarifários, o próprio edital de privatização seria capaz de estabelecer uma trajetória ou até uma carência para desmobilização das cotas vigentes e adoção integral de um regime de livre comercialização, o que permitiria uma contratação fracionada e antecipada da energia existente necessária para recomposição do nível contratual das distribuidoras, reduzindo o risco de o preço recontratado ser excessivamente elevado". 



// matérias relacionadas

Segunda, 30 de outubro de 2017

08:37 - Bandeira vermelha 2 pode ficar até o fim do ano

Quarta, 13 de setembro de 2017

08:29 - Tarifa branca na conta de luz começará em janeiro de 2018 em todo Brasil

Terça, 04 de julho de 2017

08:50 - Preparem os bolsos! Conta de energia ficará mais cara em julho

Terça, 04 de abril de 2017

17:15 - Energisa MT reduz tarifa em 2,10% a partir de sábado

14:28 - Contas de luz devem permanecer com bandeira vermelha durante 2017

Terça, 28 de março de 2017

12:07 - Conta de luz cairá até 20% em abril por cobrança indevida de Angra 3

Sábado, 25 de fevereiro de 2017

08:24 - Conta de luz terá cobrança adicional em março, com bandeira amarela

Segunda, 07 de novembro de 2016

09:55 - Subsídios representam 20% da conta de luz

Terça, 01 de novembro de 2016

09:34 - Conta de energia vai ficar mais cara a partir deste mês

Quarta, 19 de outubro de 2016

10:40 - Seca no NE pode elevar custo da energia


// leia também

Quarta, 22 de novembro de 2017

09:30 - Abono de Natal dos aposentados vai injetar R$ 20 bilhões na economia

09:06 - Petrobrás pode ganhar até R$ 7,5 bi com entrada da BR Distribuidora na Bolsa

Terça, 21 de novembro de 2017

19:23 - MP que ajusta reforma trabalhista já recebeu mais de 300 emendas no Congresso

19:11 - Servidor no País ganha 67% a mais do que empregado privado, diz Banco Mundial

17:50 - Índice de preços na internet cai 1,21% em outubro, diz Ibevar

17:24 - Mercado de trabalho entra na era da revolução digital, diz ministro

16:55 - Comitiva debater ampliação da malha ferroviária em MT

16:52 - Ministério da Agricultura pede à Rússia laudos que comprovem problemas em produto

16:00 - Central de Emprego

14:14 - Aneel decide que Belo Monte pode parcelar dívida relacionada a risco hidrológico