WhatsApp Twuitter

Sexta, 14 de julho de 2017, 08h29

Economia

Sem reforma da Previdência, nota do Brasil pode ser rebaixada, diz FMI


O Fundo Monetário Internacional apontou que o principal risco doméstico para o Brasil no curto prazo é "um fracasso" na adoção da reforma da Previdência Social, ou uma "considerável diluição desta reforma no Congresso", o que ocorreria possivelmente como resultado de novos desdobramentos da crise política. "O fracasso poderia colocar a consolidação fiscal em risco e poderia provocar mais uma rodada de rebaixamentos da nota soberana", apontou o Fundo, no âmbito da conclusão do Artigo Quarto de Consultas da instituição multilateral ao País.

Naquele contexto, o FMI aponta que os "mercados poderiam reagir negativamente e os ganhos de confiança poderia ser revertidos, levando a economia de volta à recessão." Para o Fundo, a ausência da reforma da Previdência poderia "também levantar a necessidade de medidas fiscais adicionais" para financiar o crescimento das despesas, o que poderia resultar em "aumento do peso da dívida, com implicações adversas para o crescimento no médio prazo".


FMI projeta uma expansão muito forte da dívida bruta como proporção do PIB sem a reforma da Previdência

Num cenário sem consolidação fiscal, o FMI projeta que o PIB do Brasil neste ano seria nulo, cairia 1% em 2018, repetiria a mesma magnitude de queda em 2019 e só voltaria a crescer em 2021, quando registraria uma expansão de 0,8%, que seria repetida em 2022. A inflação subiria para 5,0% neste ano e alcançaria 6% em 2018 e só baixaria gradualmente a ponto de atingir 5,1% em 2022.

Em relação às contas públicas, a falta de ajuste fiscal sem a reforma da Previdência Social faria com que o déficit primário como proporção do PIB subisse para 2,5% neste ano, atingiria 2,1% em 2018 e 2,4% em 2019. E não haveria superávit primário nos anos seguintes, pois o resultado negativo do Orçamento chegaria a 2,3% em 2020, alcançaria 2,1% em 2021 e chegaria a 2,0% em 2022.

O FMI também projeta uma expansão muito forte da dívida bruta como proporção do PIB sem a reforma da Previdência. O indicador como proporção do PIB atingiria 84,7% neste ano, subiria para 90,8% em 2018 e alcançaria 98,3% em 2019. Em 2020, esse passivo superaria 100% com facilidade, pois chegaria a 105,4%, e continuaria avançando para 111,8% em 2021 e registraria 118,6% do PIB em 2022.

 



// matérias relacionadas

Quarta, 17 de janeiro de 2018

07:55 - Se Previdência não for votada em fevereiro, não será mais, diz Maia

Terça, 16 de janeiro de 2018

17:00 - Marun admite que ainda não tem votos suficientes para a reforma da Previdência

14:58 - Reforma da Previdência é prioridade, mas sem otimismo quanto à aprovação

Segunda, 15 de janeiro de 2018

19:30 - Pela Previdência, Marun tenta buscar apoio da indústria

Sexta, 12 de janeiro de 2018

12:52 - Maia diz que rebaixamento pode ajudar aprovação da reforma da Previdência

Quinta, 04 de janeiro de 2018

19:46 - Ambiente é favorável à aprovação da reforma da Previdência, diz André Moura

Quarta, 03 de janeiro de 2018

08:10 - Carlos Marun é levado à Comissão de Ética Pública por reforma da Previdência

Quinta, 28 de dezembro de 2017

08:26 - Rombo na previdência é invenção, diz entidade de aposentados

Quarta, 27 de dezembro de 2017

13:59 - No Rio, Temer volta a defender a reforma da Previdência

Sexta, 22 de dezembro de 2017

17:30 - Maia quer retomar discussão da Previdência entre Natal e ano-novo


// leia também

Quarta, 17 de janeiro de 2018

21:00 - Juros fecham estáveis e não acompanham melhora de humor no câmbio e ações

18:00 - Após 6 anos de queda, financiamentos de veículos novos crescem 3,5% em 2017

16:59 - BNDES e Sebrae lançam linha de crédito de R$ 6 bi com foco em pequenos negócios

16:30 - Varejão assina por 20 meses e é oficializado como reforço do Flamengo

14:28 - Temer libera verbas para escolas em tempo integral e elogia Mendonça Filho

14:11 - Para Aneel, geração de energia solar pode dobrar; hidrelétrica também crescerá

11:35 - Indústria de SP demite 33 mil em dezembro; emprego recua 1,62% em 2017

11:33 - Produção industrial dos EUA sobe 0,9% em dezembro ante novembro

11:28 - Taxas futuras de juros sobem com dólar e incertezas locais

09:02 - Tarifa de energia deve permanecer na bandeira verde até março, diz ministro