WhatsApp Twuitter

Sexta, 14 de julho de 2017, 08h29

Economia

Sem reforma da Previdência, nota do Brasil pode ser rebaixada, diz FMI


O Fundo Monetário Internacional apontou que o principal risco doméstico para o Brasil no curto prazo é "um fracasso" na adoção da reforma da Previdência Social, ou uma "considerável diluição desta reforma no Congresso", o que ocorreria possivelmente como resultado de novos desdobramentos da crise política. "O fracasso poderia colocar a consolidação fiscal em risco e poderia provocar mais uma rodada de rebaixamentos da nota soberana", apontou o Fundo, no âmbito da conclusão do Artigo Quarto de Consultas da instituição multilateral ao País.

Naquele contexto, o FMI aponta que os "mercados poderiam reagir negativamente e os ganhos de confiança poderia ser revertidos, levando a economia de volta à recessão." Para o Fundo, a ausência da reforma da Previdência poderia "também levantar a necessidade de medidas fiscais adicionais" para financiar o crescimento das despesas, o que poderia resultar em "aumento do peso da dívida, com implicações adversas para o crescimento no médio prazo".


FMI projeta uma expansão muito forte da dívida bruta como proporção do PIB sem a reforma da Previdência

Num cenário sem consolidação fiscal, o FMI projeta que o PIB do Brasil neste ano seria nulo, cairia 1% em 2018, repetiria a mesma magnitude de queda em 2019 e só voltaria a crescer em 2021, quando registraria uma expansão de 0,8%, que seria repetida em 2022. A inflação subiria para 5,0% neste ano e alcançaria 6% em 2018 e só baixaria gradualmente a ponto de atingir 5,1% em 2022.

Em relação às contas públicas, a falta de ajuste fiscal sem a reforma da Previdência Social faria com que o déficit primário como proporção do PIB subisse para 2,5% neste ano, atingiria 2,1% em 2018 e 2,4% em 2019. E não haveria superávit primário nos anos seguintes, pois o resultado negativo do Orçamento chegaria a 2,3% em 2020, alcançaria 2,1% em 2021 e chegaria a 2,0% em 2022.

O FMI também projeta uma expansão muito forte da dívida bruta como proporção do PIB sem a reforma da Previdência. O indicador como proporção do PIB atingiria 84,7% neste ano, subiria para 90,8% em 2018 e alcançaria 98,3% em 2019. Em 2020, esse passivo superaria 100% com facilidade, pois chegaria a 105,4%, e continuaria avançando para 111,8% em 2021 e registraria 118,6% do PIB em 2022.

 



// matérias relacionadas

Terça, 10 de julho de 2018

18:15 - Temer diz que novo ministro do Trabalho deve levar adiante reforma trabalhista

Segunda, 07 de maio de 2018

14:34 - Entidades supermercadistas cobram reforma da Previdência ainda em 2018

Terça, 17 de abril de 2018

17:00 - Aposentados e pensionistas protestam contra a reforma da Previdência

Terça, 10 de abril de 2018

10:58 - Não dá mais para adiar a reforma da Previdência, diz Barroso

Sexta, 16 de março de 2018

17:23 - Após protestos, aliados de Doria querem rever nova alíquota de Previdência

Segunda, 26 de fevereiro de 2018

15:42 - Tesouro diz que adiamento da reforma da Previdência não afeta metas

Quinta, 22 de fevereiro de 2018

13:50 - Câmara vai trabalhar em projeto de lei para discutir despesas obrigatórias

Segunda, 19 de fevereiro de 2018

16:45 - É 'difícil' Congresso aprovar reforma durante intervenção, diz líder do DEM

11:31 - Protestos contra Previdência fecham estradas e paralisam terminais de ônibus

Domingo, 18 de fevereiro de 2018

09:15 - Centrais sindicais protestam em Cuiabá por 'aposentadoria digna'


// leia também

Terça, 17 de julho de 2018

16:00 - Central de Emprego

14:43 - Valor bruto de produção agropecuária deve cair 1,91% em 2018

14:16 - Veja calendário de pagamentos do 13º para aposentados e pensionistas

13:20 - Aeroporto Marechal registra o dobro de movimentação de cargas no 1º semestre

13:00 - Preço médio da gasolina nas refinarias cai 1,80% nesta quarta-feira

08:45 - Aluguel residencial sobe 0,03% em junho, aponta Fipezap

Segunda, 16 de julho de 2018

18:25 - Gol anuncia compra de mais 15 jatos da Boeing e ações sobem 11,60%

18:09 - Produção de petróleo e gás da Petrobras cai 1,9% em junho

17:06 - Governo antecipa primeira parcela do 13º de aposentados e pensionistas

16:09 - Preços em supermercados sobem 3,55% em junho em São Paulo