WhatsApp Twuitter

Sexta, 11 de agosto de 2017, 16h04

Não adianta discutir reforma tributária antes da previdenciária, diz Fazenda


Num momento em que se debate a ordem de votação das reformas e que parte do governo considera a tramitação simultânea das medidas estruturais, o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Eduardo Refinetti Guardia, defendeu nesta sexta-feira, 11, que se dê prioridade à da Previdência. 'Se atacarmos todas as grandes reformas de uma vez, não vamos aprovar nada ... Precisa ter uma ordem', disse Guardia, ao defender a votação, primeiro, da proposta de emenda constitucional que muda as regras de aposentadoria. 'Não adianta discutir a reforma tributária e deixar a reforma da Previdência para trás'.

Durante participação em seminário organizado pela Internews na capital paulista, o secretário destacou o quadro 'no mínimo desafiador' das finanças públicas e alertou que, se nada for feito, os gastos primários do governo vão evoluir para 25% como proporção do Produto Interno Bruto (PIB) nos próximos dez anos, ao invés dos 15% almejados com a implementação da reforma da Previdência.

Caso as regras de aposentadoria não sejam alteradas, o regime que estabeleceu um teto às despesas públicas deixará de ser realista, frisou Guardia. Segundo ele, o País não só vai agravar o problema fiscal no curto prazo como terá maior pressão de elevação de impostos. Ele salientou que a carga tributária precisaria ser elevada entre 9% e 10% como proporção do PIB para cobrir o rombo deixado pela Previdência Social.

'Essa reforma da Previdência, mesmo que não resolva tudo, garante relativa estabilidade dos gastos nos próximos anos', comentou o secretário, após mencionar que as despesas previdenciárias no Brasil, de quase 13% do PIB, são proporcionalmente superiores às de países com população mais idosa, como Japão e Alemanha.

'Aprovada a reforma da Previdência, é importante ter uma agenda que nos leve à reforma tributária. Mas a prioridade deste momento, em nosso entendimento, é a aprovação da reforma da Previdência. Sem ela, temos dificuldade até para discutir a reforma tributária', comentou Guardia.



// matérias relacionadas

Quarta, 13 de setembro de 2017

08:22 - Não há como retomar reforma da Previdência neste momento, diz Maia

Segunda, 11 de setembro de 2017

17:55 - MP com ajuste da reforma trabalhista deverá ser editada em outubro, diz UGT

Sexta, 08 de setembro de 2017

08:38 - Maia diz que pautará votação da Previdência em outubro, após reforma política

Terça, 29 de agosto de 2017

08:25 - Relator da reforma da Previdência negocia mudança no tempo de contribuição

Segunda, 21 de agosto de 2017

14:05 - Fundo eleitoral perde força e financiamento empresarial ganha fôlego

Quinta, 17 de agosto de 2017

15:24 - Governo não abre mão de idade mínima e transição na Previdência

Quarta, 16 de agosto de 2017

14:25 - Economistas apoiam nova meta fiscal, mas aguardam reforma da Previdência

Quarta, 09 de agosto de 2017

08:13 - Secretário de Previdência considera insuficiente aprovar só a idade mínima

Sexta, 14 de julho de 2017

08:29 - Sem reforma da Previdência, nota do Brasil pode ser rebaixada, diz FMI

Terça, 11 de julho de 2017

14:47 - Sem luz, senadoras mantêm ocupação da Mesa do Senado para impedir votação


// leia também

Terça, 19 de setembro de 2017

15:55 - Pagamento em espécie é motivo de preocupação em todo o mundo, diz Coaf

15:41 - Seca deve aumentar valor de conta de luz em outubro, diz Aneel

13:21 - CNI propõe simplificação do acesso a recursos do FGTS para saneamento

12:58 - População pode opinar sobre obrigação de informar pagamentos em espécie

10:18 - Reajuste de planos de saúde e escolas supera inflação

09:07 - Cresce pressão para manter perdão de dívida com Funrural

Segunda, 18 de setembro de 2017

19:06 - Várzea Grande adere à campanha da Fecomércio contra pirataria e contrabando

17:45 - Preços de mensalidades no ensino superior sobem 1,2% no 2º semestre

14:51 - INSS tem R$ 1 bi a receber de bancos por pagamento a segurados já falecidos

14:31 - Preço do etanol sobe em 14 Estados e no Distrito Federal, diz ANP