WhatsApp Twuitter

Sexta, 11 de agosto de 2017, 16h04

Não adianta discutir reforma tributária antes da previdenciária, diz Fazenda


Num momento em que se debate a ordem de votação das reformas e que parte do governo considera a tramitação simultânea das medidas estruturais, o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Eduardo Refinetti Guardia, defendeu nesta sexta-feira, 11, que se dê prioridade à da Previdência. 'Se atacarmos todas as grandes reformas de uma vez, não vamos aprovar nada ... Precisa ter uma ordem', disse Guardia, ao defender a votação, primeiro, da proposta de emenda constitucional que muda as regras de aposentadoria. 'Não adianta discutir a reforma tributária e deixar a reforma da Previdência para trás'.

Durante participação em seminário organizado pela Internews na capital paulista, o secretário destacou o quadro 'no mínimo desafiador' das finanças públicas e alertou que, se nada for feito, os gastos primários do governo vão evoluir para 25% como proporção do Produto Interno Bruto (PIB) nos próximos dez anos, ao invés dos 15% almejados com a implementação da reforma da Previdência.

Caso as regras de aposentadoria não sejam alteradas, o regime que estabeleceu um teto às despesas públicas deixará de ser realista, frisou Guardia. Segundo ele, o País não só vai agravar o problema fiscal no curto prazo como terá maior pressão de elevação de impostos. Ele salientou que a carga tributária precisaria ser elevada entre 9% e 10% como proporção do PIB para cobrir o rombo deixado pela Previdência Social.

'Essa reforma da Previdência, mesmo que não resolva tudo, garante relativa estabilidade dos gastos nos próximos anos', comentou o secretário, após mencionar que as despesas previdenciárias no Brasil, de quase 13% do PIB, são proporcionalmente superiores às de países com população mais idosa, como Japão e Alemanha.

'Aprovada a reforma da Previdência, é importante ter uma agenda que nos leve à reforma tributária. Mas a prioridade deste momento, em nosso entendimento, é a aprovação da reforma da Previdência. Sem ela, temos dificuldade até para discutir a reforma tributária', comentou Guardia.



// matérias relacionadas

Sexta, 17 de novembro de 2017

18:51 - Déficit da Previdência coloca em risco a economia do País, diz ministro

Quinta, 16 de novembro de 2017

11:58 - Base tem dificuldade de aprovar pacote, diz Maia

Domingo, 12 de novembro de 2017

16:30 - Financial Times diz Previdência no Brasil é incerteza dos emergentes

10:17 - Para votar Previdência, relator diz que Temer precisa mudar ministérios

Quinta, 09 de novembro de 2017

13:25 - Relator diz que será mantido atual tempo mínimo de contribuição

12:25 - Base governista concorda em votar logo reforma da Previdência

09:07 - Rodrigo Maia prevê cortes em aposentadorias já concedidas

08:58 - Governo desidrata texto da Previdência para tentar aprová-lo até dezembro

07:45 - Líderes da Câmara e Meirelles discutem PEC da Previdência

Quarta, 08 de novembro de 2017

20:32 - Reforma da Previdência focará em altos salários do funcionalismo


// leia também

Domingo, 19 de novembro de 2017

08:43 - Informalidade em alta limita o crédito bancário ao brasileiro

08:36 - Etanol sobe pela 6ª semana seguida e só compensa em MT e mais 2 estados

Sábado, 18 de novembro de 2017

17:26 - Ministério Público investiga desvio de R$ 200 milhões na PM paulista

17:00 - Justiça afasta diretores da Oi de decisões sobre recuperação

09:03 - Mensalidade escolar terá reajuste duas vezes maior que a inflação

08:55 - Caixa briga para não devolver R$ 27 bilhões

Sexta, 17 de novembro de 2017

17:22 - Governo federal vai descontingenciar R$ 7,5 bilhões do Orçamento

14:08 - Petrobras capta US$ 1 bilhão com sindicato de bancos

13:31 - Exportações do setor agropecuário crescem mais de 150%

08:51 - Confira as cinco dicas para usar bem a restituição do Imposto de Renda 2017