WhatsApp Twuitter

Quarta, 16 de agosto de 2017, 14h25

Economistas apoiam nova meta fiscal, mas aguardam reforma da Previdência


A revisão da meta fiscal já era esperada pelo mercado financeiro, que não apresentou turbulências hoje (16), por causa do anúncio feito na noite desta terça-feira (15). A expectativa agora do mercado é que o governo consiga voltar a discutir sobre a reforma da Previdência.

Com a revisão da meta e a reafirmação da nota de crédito do Brasil, o dólar comercial operava em queda de 029%, cotado a R$ 3,1636, por volta das 13h. O Ibovespa, índice da Bolsa de Valores de São Paulo, operava em alta às 10h10, com 68.845 pontos, mas, por volta das 13h20, registrava leve queda de 0,02%, aos 68.341 pontos.

Segundo o professor de macroeconomia do Ibmec-RJ e economista da Órama Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Alexandre Espírito Santo, o cenário internacional está favorável, o que dá suporte para os ativos no Brasil. O economista afirma que o mercado financeiro sabia que era necessário fazer a revisão da meta fiscal. “Foi uma etapa superada de maneira relativamente positiva, e agora o mercado vai esperar como o governo introduzirá de novo a reforma da Previdência.”

Ontem, o governo anunciou a nova meta de déficit primário (despesas maiores que receitas, sem considerar gastos com juros) de R$ 159 bilhões, para este ano em 2018. Originalmente, a meta de déficit estava fixada em R$ 139 bilhões para este ano e em R$ 129 bilhões para 2018. Além disso, o governo anunciou medidas para conter despesas, como congelamento de reajuste do funcionalismo público e aumento de tributos.

Para Espírito Santo, as medidas anunciada ontem foram “na direção correta, mas não são suficientes”. “[O anúncio das medidas] é uma forma de dizer que o governo está preocupado, mas no fundo não vai solucionar o problema.”

Sem a reforma da Previdência, diz o economista, será preciso alterar a meta novamente em 2018, e o mercado vai começar a perder a confiança no governo. “Fizeram um contingenciamento [bloqueio de gastos] muito forte, e o mercado deu o benefício da dúvida. Mas o mercado não vai dar o benefício da dúvida para sempre”, destaca.

A economista-chefe da XP Investimentos, Zeina Latif, diz que, com a proximidade das eleições, muitos congressistas ficam com receio de aprovar a reforma da Previdência. Entretanto, ela considera que há um reconhecimento da necessidade da reforma. “Vejo no Congresso, um reconhecimento crescente de que vai ter que fazer reforma da Previdência e que é melhor o [presidente Michel] Temer fazer. Senão, o próximo presidente vai ter um peso enorme nas costas, porque a fila de reformas necessárias é enorme”, disse. Zeina ressalta que há possibilidade de ao menos uma parte da reforma ser aprovada, como a idade mínima.

De acordo com Zeina, o mercado sabe que não há saída fácil para a questão fiscal. “O risco de ter correção de meta é alto mesmo. O mercado compreende que não tem mais espaço para corte de despesas discricionárias e sabe que daqui pra frente só mesmo ajustes estruturais.”

Para a economista, ao anunciar as medidas o governo demostrou esforço para conter despesas, além de já ter passado pelo desgaste político de aumentar a tributação sobre combustíveis. Entretanto, para Zeina o governo errou ao fazer o reajuste do funcionalismo público anteriormente. “Se não tivesse tido aumento do funcionalismo a revisão era menor.”

Ela acrescenta que as medidas anunciadas ontem não têm efeito de longo prazo e de estabilização da dívida pública, mas ajudam a manter a confiança. “Quando o dinheiro acaba, qualquer 1 bilhão fica relevante.”

Zeina diz que as medidas anunciadas ontem vão ser aprovadas pelo Congresso Nacional. “Acho que passa até porque é de interesse de Congresso. Se não se flexibiliza o orçamento, fica mais difícil também honrar emendas.” 



// matérias relacionadas

Terça, 17 de abril de 2018

17:00 - Aposentados e pensionistas protestam contra a reforma da Previdência

Terça, 10 de abril de 2018

10:58 - Não dá mais para adiar a reforma da Previdência, diz Barroso

Sexta, 16 de março de 2018

17:23 - Após protestos, aliados de Doria querem rever nova alíquota de Previdência

Segunda, 26 de fevereiro de 2018

15:42 - Tesouro diz que adiamento da reforma da Previdência não afeta metas

Quinta, 22 de fevereiro de 2018

13:50 - Câmara vai trabalhar em projeto de lei para discutir despesas obrigatórias

Segunda, 19 de fevereiro de 2018

16:45 - É 'difícil' Congresso aprovar reforma durante intervenção, diz líder do DEM

11:31 - Protestos contra Previdência fecham estradas e paralisam terminais de ônibus

Domingo, 18 de fevereiro de 2018

09:15 - Centrais sindicais protestam em Cuiabá por 'aposentadoria digna'

Sexta, 16 de fevereiro de 2018

20:27 - Mesmo com reforma fora da pauta, metalúrgicos do ABC mantêm greve na segunda

13:23 - Intervenção no Rio altera tramitação da reforma da Previdência na Câmara


// leia também

Sexta, 20 de abril de 2018

13:59 - Brasil terá perda de 30% nas exportações de frango para a Europa

13:54 - Brasil abre 56 mil vagas de trabalho com carteira assinada em março

10:07 - Governo abre processo contra Oi Móvel por infrações ao consumidor

09:55 - Liberar FGTS teria impacto de R$ 25 bilhões

08:16 - Ampliar saque do PIS/Pasep está dentro de projeção, diz Dyogo Oliveira

Quinta, 19 de abril de 2018

17:30 - PIB deve crescer 3% em 2018 e 3% em 2019, mesmo sem reformas

17:06 - Construção corta 2,3 mil vagas de trabalho em fevereiro

17:04 - Dólar volta a subir por conta de cenário externo

15:05 - União Europeia proíbe importação de aves de 20 frigoríficos do Brasil

14:09 - União arrecada R$ 22,456 milhões com venda de imóveis em Brasília