WhatsApp Twuitter

Quinta, 17 de agosto de 2017, 15h24

ECONOMIA

Governo não abre mão de idade mínima e transição na Previdência


O secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto Almeida, disse a jornalistas nesta quinta-feira, 17, que o ideal seria a aprovação da reforma da Previdência conforme o texto que saiu da comissão especial, do relator Arthur Maia (PPS-BA). No caso de novas negociações, o governo não abre mão da idade mínima para a aposentadoria e da regra de transição, dois dos pilares da reforma, declarou.

George Gianni/Divulgação

Mansueto afirmou que o ajuste fiscal não foi adiado para o próximo governo e vai prosseguir. Ele ressalta que a despesa primária do governo federal em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) deve ser menor em 2018, de 19,2%. No ano passado, ficou em 20%. 'Em dois anos há uma queda de quase um ponto do PIB'.

Já a receita em relação ao PIB vai cair neste ano e no próximo, disse o secretário, destacando que o problema fiscal não é o aumento da despesa, mas a queda da receita. A redução 'grande e rápida' da inflação, afirmou Mansueto, retirou R$ 23 bilhões da receita do governo este ano.

Para Mansueto, é cada vez mais importante que a agenda de reformas estruturais avance. No caso da Previdência, ele disse que os líderes políticos estão nesta semana e na próxima conversando com seus partidos para ver, dentro do texto aprovado na comissão especial, onde há consenso e onde não há.

A questão para o prazo de aprovação da reforma da Previdência, disse Mansueto, vai depender do tempo que vai levar para costurar o consenso político. 'Uma vez que se fizer este acordo, imediatamente pode se organizar a votação no plenário da Câmara'.

Perguntado se o governo pode ter que rever a meta de 2018 novamente nos próximos meses, o secretário disse que no Orçamento o governo foi muito conservador com a previsão de arrecadação. Ao mesmo tempo, as despesas previstas para o ano que vem estão no teto dos gastos. Assim, disse ele, se a arrecadação surpreender em 2018, o governo terá que necessariamente reduzir o resultado primário, diminuindo o déficit. 'Espero que a gente seja surpreendido', disse. Já se houver frustração com as receitas, o governo terá que cortar gastos. 



// matérias relacionadas

Sexta, 17 de novembro de 2017

18:51 - Déficit da Previdência coloca em risco a economia do País, diz ministro

Quinta, 16 de novembro de 2017

11:58 - Base tem dificuldade de aprovar pacote, diz Maia

Domingo, 12 de novembro de 2017

16:30 - Financial Times diz Previdência no Brasil é incerteza dos emergentes

10:17 - Para votar Previdência, relator diz que Temer precisa mudar ministérios

Quinta, 09 de novembro de 2017

13:25 - Relator diz que será mantido atual tempo mínimo de contribuição

12:25 - Base governista concorda em votar logo reforma da Previdência

09:07 - Rodrigo Maia prevê cortes em aposentadorias já concedidas

08:58 - Governo desidrata texto da Previdência para tentar aprová-lo até dezembro

07:45 - Líderes da Câmara e Meirelles discutem PEC da Previdência

Quarta, 08 de novembro de 2017

20:32 - Reforma da Previdência focará em altos salários do funcionalismo


// leia também

Domingo, 19 de novembro de 2017

08:43 - Informalidade em alta limita o crédito bancário ao brasileiro

08:36 - Etanol sobe pela 6ª semana seguida e só compensa em MT e mais 2 estados

Sábado, 18 de novembro de 2017

17:26 - Ministério Público investiga desvio de R$ 200 milhões na PM paulista

17:00 - Justiça afasta diretores da Oi de decisões sobre recuperação

09:03 - Mensalidade escolar terá reajuste duas vezes maior que a inflação

08:55 - Caixa briga para não devolver R$ 27 bilhões

Sexta, 17 de novembro de 2017

17:22 - Governo federal vai descontingenciar R$ 7,5 bilhões do Orçamento

14:08 - Petrobras capta US$ 1 bilhão com sindicato de bancos

13:31 - Exportações do setor agropecuário crescem mais de 150%

08:51 - Confira as cinco dicas para usar bem a restituição do Imposto de Renda 2017