WhatsApp Twuitter

Segunda, 11 de setembro de 2017, 14h08

CLIMA POSITIVO NO MERCADO

Bolsa chega a máxima histórica com prisão de Joesley Batista e Ricardo Saud


Os negócios começam a segunda-feira tendendo para a alta, repercutindo as prisões dos executivos da J&F ontem. A Bovespa abriu em alta firme nesta manhã, renovando máximas até superar o patamar dos 74 mil pontos. Mais cedo, o Ibovespa ultrapassou seu recorde histórico intraday (antes do fechamento do pregão), de 73.920 pontos, e às 13h14 subia 1,98%, aos 74.529 pontos, com ajuda dos mercados externos.

Os investidores ficam atentos à prisão de Joesley Batista e Ricardo Saud, executivos do grupo J&F, que se entregaram ontem à Polícia Federal. O fato ameaça o acordo de leniência do grupo J&F, do qual a JBS faz parte e existe a leitura de que isso enfraqueceria a eventual nova denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente Michel Temer.

Estadão Conteúdo

Com um terço, Joesley deixa a PF em São Paulo em direção ao aeroporto, onde embarcaria para Brasília

Um analista ressalta que entre os fatores que dão suporte para o clima positivo no mercado de ações está o reforço da perspectiva de continuidade de queda da taxa básica de juros, a percepção de que os eventos políticos têm se descolado do campo econômico e a sinalização do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, durante o feriado, de que a reforma da Previdência pode ser apreciada no mês que vem. "Diante disso e com um ambiente externo favorável, hoje há motivos para um dia positivo", afirmou um operador.

Dólar

O dólar renovou a cotação mínima ante o real nos últimos minutos e chegou a valer, pontualmente, menos de R$ 3,08. O fortalecimento do real acontece diante do ambiente externo favorável e do otimismo do governo evidenciado na renovação do ímpeto reformista. O tom positivo está presente hoje no discurso do ministro Dyogo Oliveira (Planejamento), assim como esteve no discurso do ministro Henrique Meirelles (Fazenda) ontem.

No exterior, o enfraquecimento do furacão Irma nos EUA e a não realização de novos testes nucleares pela Coreia do Norte no fim de semana aumentaram a disposição do investidor estrangeiro em investir em ativos de risco. No início da manhã, o Centro Nacional de Furacões divulgou que o Irma foi rebaixado de furacão para tempestade tropical.



// matérias relacionadas

Terça, 12 de setembro de 2017

11:25 - Dólar abre em alta com cautela política no radar

Sexta, 08 de setembro de 2017

18:52 - Dólar cai ao menor nível em quase 6 meses, atrelado ao exterior

Quarta, 16 de agosto de 2017

10:31 - Dólar recua com metas fiscais, S&P e exterior

Quinta, 03 de agosto de 2017

11:28 - Dólar oscila com Previdência, meta fiscal e exterior no radar

Quarta, 19 de julho de 2017

17:27 - Dólar cai de novo e fecha a quarta-feira abaixo de R$ 3,15

Segunda, 10 de julho de 2017

10:59 - Dólar recua com rolagem de swap cambial

Sexta, 07 de julho de 2017

10:14 - Dólar tem alta com payroll dos EUA, mas retoma queda após releitura e com IPCA

Quarta, 05 de julho de 2017

10:40 - Dólar desacelera alta com queda do petróleo no radar

Quinta, 22 de junho de 2017

16:19 - Dólar fecha e quinta-feira estável e segue cotado a R$ 3,33

10:49 - Após abrir em queda, dólar passa a subir com cautela sobre reformas


// leia também

Quinta, 23 de novembro de 2017

19:01 - Vale pede que governo vete alterações no Novo Código de Mineração

14:28 - Abrint solicita à Anatel participação em processo do TAC da Telefônica

14:16 - Economia cresce pelo 3º mês seguido e aumenta confiança do empresário

14:06 - Fórum debate chegada dos trilhos da Ferronorte em Cuiabá

09:33 - Brasileiro vai gastar 13º salário na Black Friday

09:26 - Idades mínimas para aposentadoria será de 65 anos para homens e 62 para mulheres

Quarta, 22 de novembro de 2017

22:30 - Meirelles diz que idade mínima é de 62 anos para mulher e 65 para homem

20:56 - Itaipu comemora marca de 2,5 bilhões de MWh de energia limpa

19:57 - Anatel registra queda de 5,7% nas reclamações contra empresas de telecomunicação

16:45 - Em resposta à Rússia, SC diz que produção passa por constantes auditorias