WhatsApp Twuitter

Domingo, 10 de setembro de 2017, 08h00

projeto de capacitação

Mulheres se preparam para voltar apitar na elite do futebol brasileiro


Aos poucos, elas se preparam para retomar o espaço. Desta vez, o objetivo é chegar para ficar. Com apoio da Comissão de Arbitragem da CBF, as mulheres estão trabalhando para voltar a apitar jogos da elite do futebol brasileiro. O objetivo é alcançar a Série A do Campeonato Nacional em 2019 ou no máximo em 2020.

Para isso, o projeto de capacitação das meninas ganhou novo impulso nos últimos anos. Elas são submetidas, periodicamente, a treinamento técnico e físico e também recebem apoio psicológico para que se fortaleçam mentalmente. O quadro feminino na CBF ainda é pequeno - 14 árbitras e também há 49 assistentes -, mas a perspectiva é de crescimento.

Há treinos específicos para as mulheres, mas na maioria das vezes os cursos são mistos. As exigências, inclusive em relação à condição física, são iguais para homens e mulheres. A intenção é aprofundar cada vez mais o treinamento delas.

Além de colocar os ensinamentos em prática: já há mulheres trabalhando como árbitras centrais em jogos do Brasileiro Sub-20 e em divisões inferiores, como as séries C e D. Na Série A, a última mulher a apitar uma partida foi a paulista Sílvia Regina Oliveira: Paysandu 2 x 1 Fortaleza, em 16 de outubro de 2005, ou seja, há quase 12 anos.

Em alguns Estaduais, elas já exercem a função de árbitro central. Em Pernambuco, por exemplo, Déborah Cecília Correia apitou nove jogos este ano, entre eles dois clássicos (Sport x Santa Cruz e Náutico x Santa Cruz) e foi bastante elogiada.

No entanto, se a figura da assistente feminina se tornou corriqueira no futebol brasileiro e já é aceita com naturalidade, ter uma mulher no apito ainda é situação que enfrenta resistência, preconceito. Dentro de campo, o futebol ainda é visto como um ambiente predominantemente masculino.

Por isso, o trabalho de reinserção é feito com calma, gradativamente. ‘Estamos começando a abrir oportunidades para que elas possam atuar em competições masculinas‘, disse o coronel Marcos Marinho, presidente da Comissão de Arbitragem da CBF. ‘O preconceito está caindo. As assistentes não sofrem mais. Mas, com a mulher no centro (apitando), ainda existe alguma restrição, certo receio. Precisamos ter muito cuidado, ir inserindo aos poucos‘, afirmou Ana Paula Oliveira, instrutora da Escola Nacional de Arbitragem.

As barreiras ainda existentes aumentam a importância de se fazer um trabalho de fortalecimento psicológico nas candidatas a árbitras centrais. ‘O homem já está acostumado com o ambiente masculino. A mulher não, precisa se familiarizar. Ela vai viver em um ambiente hostil e precisa saber como lidar com ele. Por isso temos esse suporte psicológico para as meninas‘.

A tutora das meninas diz que o trabalho com as mulheres é baseado em quatro pilares: físico, técnico, mental e social. ‘A mulher precisa saber lidar com a pressão que o homem vai colocar sobre ela, saber se impor, tomar decisões. Não basta conhecer as regras e ter bom preparo físico, tem de saber como lidar com todo esse contexto‘.

Evolução - Uma barreira que atrapalhou a arbitragem feminina no passado praticamente inexiste hoje, garantem Ana Paula de Oliveira e Marcos Marinho. Fisicamente, as mulheres já se mostram capazes de acompanhar o ritmo de um jogo masculino. ‘Hoje elas conseguem atingir o índice do teste masculino. Já estão aprovadas na parte teórica, no mesmo nível. Por que, então, não pensar na possibilidade (de voltarem a apitar na Série A)‘?, disse a tutora. ‘Quem sabe daqui a um, dois anos‘.

Marcos Marinho também atesta o progresso. ‘A gente passou a exigir o (os parâmetros do) teste masculino e não é algo tão fácil para elas, mas estão tendo um índice maior de aprovação‘, assegurou. ‘A Edina (Alves Batista), que é Fifa, passou no teste masculino. Por isso está apitando em competições masculinas‘. Este ano, ela já apitou na Série D e uma partida do Brasileiro Sub-20 (Coritiba 4 x 1 Grêmio), este no mês passado.

Ele diz ter constatado grande evolução nas mulheres em aspectos como velocidade, movimentação, leitura de jogo, desenvolvimento de técnica para se antecipar nas jogadas. ‘O trabalho é voltado para que elas desenvolvam isso. Técnicas de posicionamento, deslocamento. Tecnicamente, não devem nada a ninguém. O que faltava era essa presença maior nas jogadas‘.

Colocá-las em jogos da Série D, onde na teoria o ambiente poderia ser mais hostil do que na Série A, faz parte dessa preparação gradativa. ‘Se menina for mal, a repercussão numa Série D pode ser danosa. Mas na Série A ganha o mundo. Até um erro menor tem grande proporção. Isso pode comprometer a carreira se a menina não estiver pronta‘, completou Ana Paula Oliveira.



// matérias relacionadas

Sexta, 19 de janeiro de 2018

19:30 - Presidente do Flu admite erro e pede desculpas a Cavalieri

19:00 - Membros da equipe de Tite observam brasileiros na Turquia

16:37 - Apresentado no Palmeiras, Scarpa justifica escolha: 'Desejo antigo'

12:25 - Goleiro 'Perereca' é preso durante jogo por não pagar pensão alimentícia

09:30 - Paulistão leva quase 4 vezes mais público que o Carioca na 1ª rodada

Quinta, 18 de janeiro de 2018

11:26 - Ronaldinho detalhará despedida em março e diz que se despede do maior sonho

Quarta, 17 de janeiro de 2018

09:42 - Nova regra do Paulistão é ponto falho entre 4 grandes de São Paulo

Terça, 16 de janeiro de 2018

19:00 - Zagueiro Léo renova até 2020 e chegará a dez temporadas defendendo o Cruzeiro

09:46 - Premiação baixa expõe defasagem e pouca atratividade do Paulistão

09:24 - Desinteressado, Flamengo é favorito em Cariocão, que tem início hoje


// leia também

Sexta, 19 de janeiro de 2018

21:00 - Defesa de Cabral diz que está 'estarrecida com espetáculo e crueldade'

15:52 - Fifa interroga Del Nero por 5 horas sobre propinas e acusações de sete crimes

09:26 - Lutador que enfrentaria Belfort, narra terror que o fez desistir de luta

Quinta, 18 de janeiro de 2018

17:00 - Florida Cup atrapalhou preparação física do Corinthians, diz Cássio

16:53 - Presidente da Força Jovem do Vasco tem prisão preventiva revogada

15:44 - Reforços, Gilberto e Jadson admitem 'expectativa grande' do Flu para clássico

14:37 - Brasil começa ano da Copa da Rússia em 2º no ranking; Alemanha segue líder

14:15 - Cavalieri exibe mágoa com dirigentes do Fluminense por dispensa

09:54 - Jon Jones passa por detector de mentiras por inocência em doping

09:44 - Neymar tem atuação brilhante, mas é vaiado na vitória do PSG por 8 x 0