WhatsApp Twuitter

Segunda, 11 de setembro de 2017, 13h52

ONU diz que podem ter sido cometidos 'crimes contra humanidade' na Venezuela


O alto comissário da Organização das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad al Hussein, afirmou nesta segunda-feira (11) que podem ter sido cometidos "crimes contra a humanidade" na Venezuela durante os protestos antigovernamentais, e pediu ao Conselho de Direitos Humanos que abra uma investigação internacional. A informação é da Agência EFE.

"A minha investigação sugere a possibilidade de que possam ter sido cometidos crimes contra a humanidade, algo que só pode ser confirmado por uma investigação penal posterior", apontou o diplomata jordaniano em seu discurso de abertura da 36ª sessão do Conselho de Direitos Humanos (CDH).

Zeid disse que apoia o conceito de uma Comissão Nacional da Verdade e Reconciliação, mas considerou "inadequado" o mecanismo atual, e pediu que seja remodelado "com o apoio e o envolvimento da comunidade internacional".

Além disso, pediu ao Conselho de Direitos Humanos da ONU que estabeleça uma "investigação internacional" sobre as violações de direitos humanos na Venezuela.

O alto comissariado apontou que "há um perigo real" de as tensões no país se intensificarem ainda mais depois que "o Governo esmagou instituições democráticas e vozes críticas, inclusive mediante processos penais contra líderes opositores, utilizou o recurso de detenções arbitrárias, de uso excessiva da força e de maus-tratos de detidos, que em alguns casos equivale à tortura".

Zeid lembrou que a Venezuela é um membro do Conselho de Direitos Humanos e que, como tal, "tem um dever particular na hora de salvaguardar os padrões mais elevados na promoção e proteção dos direitos humanos".

O diplomata jordaniano fez estas observações pouco antes do discurso perante o Conselho de Direitos Humanos do chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, e poucas semanas depois que seu escritório publicou um relatório sobre as "extensas" violações de direitos humanos cometidas durante os protestos antigovernamentais entre 1º de abril e 31 de julho, sobretudo por parte das forças de segurança e unidades militarizadas.

A ONU detalhou no relatório o uso de força excessiva e letal, possíveis execuções extrajudiciais, maus tratos e inclusive torturas, detenções arbitrárias e desaparecimentos forçados temporários, revistas ilegais e violentas de moradias particulares, julgamentos de militares contra civis e ataques contra jornalistas e ataques e restrições contra opositores.



// matérias relacionadas

Quinta, 24 de maio de 2018

19:12 - Contestado, Maduro toma posse para novo mandato na Venezuela

Quarta, 23 de maio de 2018

10:14 - Funcionários públicos relatam ameaças por não terem votado na Venezuela

Segunda, 21 de maio de 2018

16:09 - Maduro convoca todos que participaram da eleição a montar 'agenda construtiva

10:33 - Brasil e mais 13 países não reconhecem resultado das eleições na Venezuela

09:36 - Maduro vence eleição em que menos da metade votou; opositor denuncia fraude

Domingo, 20 de maio de 2018

10:10 - Venezuela escolhe presidente em meio a crise e boicote da oposição

Sábado, 19 de maio de 2018

13:30 - Países latino-americanos contestam Maduro e dizem ter recebido 1,5mi de migrantes

Quinta, 17 de maio de 2018

15:13 - Pesquisas eleitorais indicam que Maduro será reeleito

Segunda, 14 de maio de 2018

16:28 - Crise na Venezuela estimula tráfico de armas na fronteira com Roraima

Segunda, 07 de maio de 2018

17:35 - Departamento do Tesouro dos EUA impõe sanções a empresas de Venezuela e Panamá


// leia também

Sábado, 26 de maio de 2018

13:30 - Franceses protestam contra políticas de Macron; polícia acompanha manifestação

10:46 - Colômbia se tornará o primeiro parceiro da Otan na América Latina

10:37 - Anistia Internacional diz que uso das Forças Armadas pode desencadear violência

Sexta, 25 de maio de 2018

14:59 - Na Rússia, Macron faz aceno a Putin, em teste para relação com Trump

14:39 - Greve de caminhoneiros repercute na mídia internacional

10:12 - Coreia do Norte reagiu bem ao cancelamento de reunião, disse Donald Trump

Quinta, 24 de maio de 2018

16:54 - Três ativistas sauditas são libertadas após 10 dias presas

14:06 - Míssil russo derrubou voo da Malaysia Airlines em 2014, afirmam investigadores

09:50 - Coreia do Norte cumpre e detona local onde testes nucleares eram realizados

09:41 - EUA realizam novo ataque à Síria, diz agência síria