WhatsApp Twuitter

Quarta, 13 de setembro de 2017, 09h16

Mundo

Trump convida Temer para reunião de líderes que discutirá crise venezuelana


A crise na Venezuela deverá ser um dos temas principais do jantar que o presidente Donald Trump oferecerá na segunda-feira em Nova York ao brasileiro Michel Temer, ao colombiano Juan Manuel Santos e ao peruano Pedro Pablo Kuczynski. O encontro ocorrerá na véspera da abertura da Assembleia-Geral da ONU.

Brasil e Colômbia têm extensas fronteiras com a Venezuela e o Peru foi o anfitrião da reunião de agosto em que 17 países da região declararam não reconhecer a Assembleia Constituinte convocada pelo presidente Nicolás Maduro e pediram o pleno restabelecimento da ordem democrática no país.

Desde que chegou à Casa Branca, em janeiro, Trump endureceu a posição dos EUA em relação à Venezuela. Nesse período, sua gestão impôs três rodadas de sanções contra Caracas. As duas primeiras atingiram integrantes do governo, entre os quais o presidente Nicolás Maduro, classificado de “ditador” pelos americanos. As sanções mais recentes, adotadas em agosto, restringiram a capacidade de financiamento externo da Venezuela, com a proibição de compra de bônus emitidos pelo governo de Maduro ou pela estatal petroleira PDVSA.

No dia 11 de agosto, Trump declarou que não descartava a possibilidade de uma “opção militar” na Venezuela, caminho que é rejeitado por virtualmente todos os países da região, entre os quais o Brasil. A tradição diplomática brasileira também não vê com bons olhos sanções unilaterais, como as adotadas pelos EUA, e prefere as que são adotadas no âmbito da ONU.

Não estava claro se o presidente americano pedirá uma ação mais incisiva dos três líderes convidados para o jantar na busca de solução para a situação venezuelana. A avaliação dentro do governo brasileiro é a de que as opções são limitadas, já que Caracas conseguiu até agora bloquear iniciativas da Organização dos Estados Americanos (OEA) de atuar na crise. Os países favoráveis à ação da entidade criaram um grupo paralelo, que se reuniu em Lima no mês de agosto.

Defensor de uma ação mais agressiva da instituição em relação à Venezuela, o secretário-geral da OEA, Luis Almagro, nomeou em julho um assessor especial para tratar de crimes de lesa humanidade. O escolhido foi o ex-promotor da Corte Penal Internacional Luis Moreno Ocampo. No fim desta semana, ele começará a realizar audiências para determinar se há elementos para sustentar um processo por crimes de lesa humanidade contra o governo venezuelano na Corte Penal Internacional. As sessões deverão ser concluídas em outubro.

Apesar de ser o prato principal, a Venezuela não será o único tema do jantar. A agenda é “aberta” e cada presidente terá liberdade para levantar questões de seu interesse. Existe a expectativa de que Trump aborde o programa nuclear da Coreia do Norte, que se transformou na maior crise geopolítica de seu governo.

Segundo fontes ouvidas pelo Estado, Temer usará o encontro para falar do processo de recuperação da economia brasileira e das reformas propostas por seu governo. Essa será a primeira vez em que os dois presidentes se reúnem. Ambos conversaram rapidamente durante o encontro do G-20 na Alemanha, em julho. Na ocasião, Trump mencionou a melhoria nos indicadores econômicos do Brasil e Temer defendeu maior contato entre empresários dos dois países. “Eu gosto disso”, respondeu o americano, de acordo com pessoa familiarizada com a conversa.

Até meados do ano havia a expectativa de que o brasileiro realizasse uma visita oficial aos EUA e tivesse um encontro bilateral com Trump. Reuniões desse tipo produzem declarações conjuntas e são acompanhadas de acordos e iniciativas em âmbito ministerial. Nada disso acontecerá no jantar em Nova York.

Na manhã de terça-feira, Temer fará o discurso de abertura da Assembleia-Geral da ONU, que tradicionalmente é proferido por presidentes brasileiros. Trump falará em seguida. O governo venezuelano anunciou no mês passado que Maduro não participará do encontro, que reúne líderes de todo o mundo em Nova York.

No dia seguinte, o brasileiro será o primeiro a assinar resolução que lança negociações de um tratado sobre a proibição de armas nucleares. O documento foi aprovado em dezembro por 113 membros da ONU e enfrenta resistência dos países que possuem arsenais nucleares, entre os quais os EUA.

Em seguida, Temer participará de um seminário com investidores, no qual serão apresentados dados sobre a economia brasileira e os projetos de infraestrutura que o governo quer conceder à iniciativa privada. 



// matérias relacionadas

Quinta, 16 de novembro de 2017

09:50 - Gêmeas nascem de cores diferentes, e médico explica o fenômeno

Terça, 14 de novembro de 2017

10:06 - Cachorro rouba a cena ao cumprimentar corredores em maratona de NY

09:39 - Bilionários pedem ao Congresso que impeça Trump de baixar seus impostos

Sábado, 11 de novembro de 2017

10:28 - Ex-assessor de Trump negociou com turcos para entregar opositor de Erdogan

Quarta, 08 de novembro de 2017

09:21 - Trump alerta Coreia do Norte para que 'não subestime' os EUA

Terça, 07 de novembro de 2017

11:59 - Americano que corta cabelo de moradores de rua de graça ganha barbearia

10:21 - Atirador do Texas comprou armas legalmente, apesar de antecedentes

09:52 - Garoto com câncer quer receber cartões para comemorar seu último Natal

Sexta, 03 de novembro de 2017

10:25 - Trump usará seu Twitter na China, apesar de bloqueio do aplicativo no país

Terça, 31 de outubro de 2017

11:40 - Facebook, Twitter e Google depõem sobre influência russa nas eleições dos EUA


// leia também

Sexta, 17 de novembro de 2017

20:50 - Submarino argentino com 44 tripulantes está desaparecido no Atlântico Sul

12:32 - MP português abre inquérito para apurar morte de brasileira pela polícia

11:57 - Tropas retomam última cidade do Iraque mantida pelo Estado Islâmico

10:17 - Mugabe aparece em público pela primeira vez desde intervenção militar

10:00 - Credores internacionais anunciam calote da Venezuela em títulos da dívida

Quinta, 16 de novembro de 2017

15:40 - Polícia prende condutor do carro em que brasileira foi morta por engano

15:25 - França tem novo dia de protestos contra Macron e suas reformas econômicas

09:58 - EUA reprovam intervenção militar no Zimbábue e pedem solução rápida

Quarta, 15 de novembro de 2017

12:11 - Rússia e Venezuela assinam acordo de reestruturação da dívida

11:28 - Deputado europeu pede que Reino Unido destrave diálogo com UE pelo Brexit