WhatsApp Twuitter

Terça, 25 de outubro de 2016, 08h34

Brasil

STJ condena padre por interromper aborto legal


Em decisão unânime, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) condenou o padre Luiz Carlos Lodi da Cruz a pagar R$ 60 mil de indenização por interromper um aborto legal. O caso ocorreu em 2005, no interior de Goiás. A relatora do processo, ministra Nancy Andrighi, avaliou que o padre agiu ‘temerariamente‘ quando pediu a suspensão do procedimento médico de interrupção da gravidez, que já estava em curso.

Há 11 anos, Lodi da Cruz entrou com um habeas corpus para impedir que uma mulher grávida levasse adiante a interrupção da gravidez de feto diagnosticado com síndrome de Body Stalk - denominação dada a um conjunto de malformações que inviabilizam a vida fora do útero. O padre alegou que os pais iriam praticar um homicídio e pediu a interrupção do procedimento. O pedido foi atendido pelo Tribunal de Justiça de Goiás.

No momento da decisão do Tribunal, a gestante já estava internada em um hospital tomando medicação para induzir o parto, quando foi forçada a voltar para casa. Com dilatação iniciada, ela passou os oito dias seguintes sentindo dores até a hora do parto, quando retornou ao hospital. O feto morreu logo após o nascimento. A ação por danos morais do casal contra o padre foi negada pela Justiça de Goiás e, posteriormente, encaminhada ao STJ.

Acompanhando o voto da relatora, todos os membros da Terceira Turma do STJ entenderam que o padre ‘abusou do direito de ação e violou direitos da gestante e de seu marido, provocando-lhes sofrimento inútil‘. ‘Esse exaustivo trabalho de parto, com todas as dores que lhe são inerentes, dão o tom, em cores fortíssimas, do intenso dano moral suportado, tanto pela recorrente como pelo marido‘, disse Nancy.

De acordo com a ministra, o padre ‘buscou a tutela estatal para defender suas particulares ideias sobre a interrupção da gestação‘ e, com sua atitude, ‘agrediu os direitos inatos da mãe e do pai‘, que contavam com a garantia legal de interromper a gestação. Ela destacou decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), de 2012, que afastou a possibilidade de criminalização da interrupção de gestação de anencéfalos. 



// matérias relacionadas

Quarta, 13 de setembro de 2017

08:42 - Mais de mil pessoas em Goiânia ainda têm rotina ligada ao césio 137

Quinta, 27 de julho de 2017

08:51 - Seis presos são mortos e oito fogem de presídio durante rebelião em Goiás

Segunda, 24 de julho de 2017

09:11 - Criança e adolescente morrem em GO após carro entrar em canavial em chamas

Sexta, 07 de julho de 2017

11:12 - Polícia prende grupo que vendia gabaritos de vestibulares de Medicina

Terça, 23 de maio de 2017

08:36 - Mãe e padrasto matam filho, lançam corpo no mato e denunciam sequestro

Sexta, 12 de maio de 2017

08:58 - Estudante agredido por capitão da PM recebe alta de hospital em Goiás

Segunda, 17 de abril de 2017

08:36 - Morrem outros três bebês dos quíntuplos nascidos em Goiânia

Segunda, 27 de março de 2017

11:17 - Com superlotação, hospital de Goiás tem duas mortes

Quarta, 22 de fevereiro de 2017

09:07 - Polícia deflagra Operação Hicsos contra roubo de cargas de alto valor

Terça, 06 de dezembro de 2016

10:20 - Pai de 16 anos é suspeito de agredir filho de 8 meses


// leia também

Terça, 19 de setembro de 2017

22:44 - MPF pede manutenção da prisão preventiva de Jacob Barata Filho

21:50 - Alexandre Moraes é favorável à prisão de condenados em 2ª instância

16:59 - Ministérios, Detran e governos de MG e RJ aderem à campanha #TrateSeuPreconceito

16:51 - Sem-teto desocupam portaria do Ministério da Fazenda depois de duas horas

15:30 - Para 50% dos brasileiros, saída de Temer não resolverá crise política

14:55 - Jogador da seleção de hóquei é morto com tiro na nuca no litoral

Segunda, 18 de setembro de 2017

22:00 - Estudantes já podem se inscrever para vagas remanescentes do Fies

21:30 - Lojas fecham na Rocinha um dia depois de tiroteio com mortos

21:00 - Polícia Federal investiga fraudes em 14 concursos públicos

18:01 - Mais de 80% das empresas brasileiras têm irregularidades, aponta estudo