WhatsApp Twuitter

Quarta, 17 de maio de 2017, 15h39

Mutação no vírus pode ter acelerado epidemia de zika


Cientistas chineses identificaram uma mutação no vírus da zika que pode ter sido responsável pelo rápido alastramento da doença na epidemia nas epidemias da Polinésia Francesa (2013/2014) e da América do Sul (2015/2016).

De acordo com os autores da pesquisa, a mutação identificada no zika aumenta a secreção da proteína NS1. Estudos anteriores já haviam mostrado que essa proteína está associada ao processo de aquisição de flavivírus - o grupo ao qual pertencem os vírus da zika e da dengue - pelos mosquitos.

No novo estudo, publicado hoje na revista Nature, os cientistas comprovaram que o mesmo mecanismo ligado à proteína NS1 também promove a aquisição do vírus zika no Aedes aegypti, o mosquito que transmite a doença para humanos. A pesquisa foi liderada por Gong Cheng, da Universidade Tsinghua, em Pequim (China).

Ao ser lançada no organismo do Aedes aegytpi, a proteína ajuda o vírus a superar as proteções imunológicas do mosquito, possibilitando a infecção. Com maior facilidade para infectar o Aedes aegypti, que está inserido em ambientes urbanos, o vírus conseguiu se espalhar rapidamente.

Segundo os autores, a mutação que causa o aumento da secreção de NS1 ocorreu apenas a partir de 2013. Isso explicaria o rápido alastramento do vírus a partir dessa data, quando começaram as epidemias que atingiram primeiro a Polinésia Francesa e depois chegou às Américas.

O vírus da zika surgiu na África em meados do século 20 e migrou para a Ásia. Até aí, ele não causava nenhum problema em humanos e infectava principalmente macacos. A linhagem asiática do vírus, no entanto, chegou à Micronésia, no Oceano Pacífico, no início do século 21 e causou o primeiro grande surto em humanos em 2007.

Em 2013, o vírus causou um surto na Polinésia Francesa e em fevereiro de 2014 chegou à Ilha de Páscoa, também no Oceano Pacífico, a 3.700 km da costa do Chile. A partir daí, os casos de zika se espalharam em grande parte dos países das Américas. No Brasil, onde ocorreram as primeiras mortes, o vírus motivou um alerta mundial da Organização Mundial da Saúde em 2015.

‘Humanização‘. Em 2015, um grupo coordenado por Paolo Zanotto, do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP, em colaboração com o Instituto Pasteur de Dacar (Senegal), já indicava que o vírus da zika havia passado por adaptações genéticas que o tornaram cada vez mais eficiente para infectar humanos. O estudo desse grupo mostrou que, em seu longo caminho entre a África e as Américas, o vírus adquiriu características genéticas que aumentaram sua capacidade de se replicar nas células humanas.

Segundo Zanotto, se a linhagem africana do vírus infectava principalmente macacos e mosquitos, ao longo de sua jornada até o Pacífico, as novas linhagens passaram a ‘imitar‘ os genes que o corpo humano mais expressa, a fim de produzir em grande quantidade proteínas que esses genes codificam.

Com esse processo, apelidado pelos cientistas de ‘humanização do vírus‘, a infecção ficou mais eficiente - especialmente a partir de 2007. Um dos genes mais ‘imitados‘ pelo vírus da zika era justamente o da proteína NS1, que também tem o papel de modular a interação entre o vírus e o sistema imunológico dos humanos.

De acordo com os cientsitas, a produção dessa proteína funciona como uma camuflagem para o vírus, desorientando completamente o sistema imunológico e facilitando a infecção.
 



// matérias relacionadas

Quinta, 28 de setembro de 2017

20:41 - Mutação do zika permitiu ao vírus causar microcefalia fetal

Sexta, 22 de setembro de 2017

12:32 - Testes indicam que vacina contra zika previne a doença na gestação

Quarta, 13 de setembro de 2017

08:57 - Ministério da Saúde anuncia recursos para avaliação precoce de bebês com vírus zika

Terça, 15 de agosto de 2017

21:10 - Cientistas descobrem substância que pode bloquear produção do vírus Zika

Quinta, 10 de agosto de 2017

10:22 - Culex transmite zika, sugere pesquisa

Quarta, 09 de agosto de 2017

16:29 - Fiocruz descobre que pernilongo pode transmitir zika

Quinta, 01 de junho de 2017

18:20 - Cientistas descobrem ligação entre proteína do cérebro, zika e microcefalia

Segunda, 29 de maio de 2017

08:42 - Falta de controle de mosquito são causas de epidemia de Chikungunya no Ceará

Sexta, 19 de maio de 2017

10:20 - Ceará relata queimaduras em bebês vítimas de chikungunya

Quinta, 11 de maio de 2017

11:49 - Ministério da Saúde anuncia fim da emergência nacional para zika


// leia também

Quarta, 17 de janeiro de 2018

17:00 - Morre no Rio de Janeiro adolescente com suspeita de febre amarela

16:46 - SP estuda antecipar ainda mais fracionamento de vacina da febre amarela

14:52 - Grávida baleada na cabeça está lúcida; bebê continua em estado grave

14:35 - Febre amarela leva Mairiporã a decretar situação de calamidade pública

11:35 - Resultado do Enem 2017 deve ser divulgado às 11h de quinta-feira

11:34 - Febre amarela; Doria pede 'calma' e diz que muitos se vacinam sem necessidade

11:33 - Governo vai liberar R$ 406 milhões para ensino médio em tempo integral

09:17 - Daniel Cravinhos, ex de Suzane von Richthofen, deixa a prisão

08:44 - Em SP, espera por vacinação em posto público chega a nove horas

08:38 - Mortes por febre amarela crescem cinco vezes em uma semana