WhatsApp Twuitter

Quinta, 01 de junho de 2017, 18h20

publicado pela revista Science

Cientistas descobrem ligação entre proteína do cérebro, zika e microcefalia


Um novo estudo liderado por cientistas britânicos revela que o vírus da zika sequestra uma proteína humana chamada Musashi-1 (MSI1) para permitir que ele se replique nas células-tronco neurais, matando-as.

De acordo com o artigo, publicado nesta quinta-feira, 1, na revista Science, quase todas as proteínas MSI1 nos embriões humanos em desenvolvimento são produzidas nas céulas-tronco neurais, que têm o papel de formar o cérebro do bebê. Isso poderia explicar por que as células do cérebro em desenvolvimento são tão vulneráveis à zika.

O estudo foi financiado pela organização internacional de pesquisa Wellcome Trust e liderada por cientistas da Universidade de Cambridge (Reino Unido), com participação de pesquisadores das universidades britânicas de Leeds e de Newcastle e da Universidade Radboud (Holanda).

Segundo os autores, a associação entre a zika e a microcefalia já havia sido estabelecida, mas os cientistas ainda não têm uma ideia clara de como o vírus provoca as sequelas cerebrais. ‘Este é o primeiro estudo a mostrar uma ligação clara entre uma proteína específica, o vírus da zika e a microcefalia‘, disse o diretor de Infecção e Imunobiologia do Wellcome Trust, Mike Turner.

‘Essa descoberta realmente ajuda a explicar porque as células-tronco neurais são tão vulneráveis à infecção por zika. Espero que seja o primeiro passo para determinar como podemos deter essa interação e a doença. Também será interessante investigar se essa proteína está envolvida com outros vírus, como o da rubéola, que também podem acessar e danificar o cérebro humano em desenvolvimento‘, afirmou Turner.

‘O desenvolvimento de um cérebro humano saudável é um processo incrivelmente complexo, que depende das células-tronco e das ações coordenadas de muitos genes. Nós demonstramos pela primeira vez essa interação entre a zika e a MSI1‘, disse a autora principal do estudo, Fanni Gergely, da Universidade de Cambridge.

‘A MSI1 é explorada pelo vírus, que a utiliza para desenvolver seu ciclo de vida destrutivo, transformando a proteína em um inimigo infiltrado. Esperamos que, no futuro, essa descoberta possa levar aos caminhos para gerar potenciais vacinas contra o vírus da zika‘, declarou Fanni.

Os cientistas da Universidade de Cambridge estudaram uma série de linhagens de células, incluindo as células-tronco neurais humanas, para investigar como a infecção pelo vírus da zika pode levar à microcefalia. Eles suspeitavam que a MSI1 pudesse ter um papel importante nesse processo, já que essa proteína está envolvida na regulação de um conjunto de células-tronco neurais indispensáveis para o desenvolvimento do cérebro.

Duas frentes de destruição

Os pesquisadores mostraram que quando o vírus da zika entra nessas células-tronco, ele sequestra a MSI1 para colocá-la a serviço de sua replicação, danificando as células de duas maneiras diferentes.

Em primeiro lugar, a MSI1 se liga ao genoma do vírus da zika, permitindo que ele se multiplique e deixando as células mais vulneráveis à morte celular induzida pelo vírus. Quando os pesquisadores infectaram células que haviam sido manipuladas para se tornarem incapazes de produzir MSI1, a replicação do vírus foi consideravelmente reduzida, assim como a morte celular. Isso indica, segundo os autores, que a presença da MSI1 é condição necessária para a multiplicação eficaz do vírus.

Em segundo lugar, os cientistas mostraram que a MSI1 também perturba o programa de desenvolvimento normal das células-tronco neurais. Nas células infectadas pelo vírus da zika, a MSI1 se liga ao genoma do vírus, em vez de buscar seus alvos normais nas células. Assim, o vírus age como uma ‘esponja‘, impedindo que a MSI1 trabalhe corretamente - o que altera a expressão de vários genes envolvidos no desenvolvimento neural.

Em ambos os cenários, as células-tronco neurais, que são cruciais para o desenvolvimento normal do cérebro do feto, acabam morrendo, o que leva à microcefalia.

Para confirmar a importância da MSI1 no crescimento normal do cérebro, os cientistas demonstraram que a proteína apresenta mutações em indivíduos com um tipo raro de microcefalia hereditária - a microcefalia primária recessiva autossômica -, que não tem relação com o vírus da zika.

Os resultados do estudo, de acordo com os autores, sugerem que as células-tronco neurais precisam da MSI1 para gerarem a quantidade suficiente de neurônios para um cérebro de tamanho normal. Mas a presença da proteína também aumenta a vulnerabilidade dessas células à infecção pela zika, levando à morte da população celular e resultando em microcefalia.
 



// matérias relacionadas

Quinta, 28 de setembro de 2017

20:41 - Mutação do zika permitiu ao vírus causar microcefalia fetal

Sexta, 22 de setembro de 2017

12:32 - Testes indicam que vacina contra zika previne a doença na gestação

Quarta, 13 de setembro de 2017

08:57 - Ministério da Saúde anuncia recursos para avaliação precoce de bebês com vírus zika

Terça, 15 de agosto de 2017

21:10 - Cientistas descobrem substância que pode bloquear produção do vírus Zika

Quinta, 10 de agosto de 2017

10:22 - Culex transmite zika, sugere pesquisa

Quarta, 09 de agosto de 2017

16:29 - Fiocruz descobre que pernilongo pode transmitir zika

Segunda, 29 de maio de 2017

08:42 - Falta de controle de mosquito são causas de epidemia de Chikungunya no Ceará

Sexta, 19 de maio de 2017

10:20 - Ceará relata queimaduras em bebês vítimas de chikungunya

Quarta, 17 de maio de 2017

15:39 - Mutação no vírus pode ter acelerado epidemia de zika

Quinta, 11 de maio de 2017

11:49 - Ministério da Saúde anuncia fim da emergência nacional para zika


// leia também

Quarta, 17 de janeiro de 2018

17:00 - Morre no Rio de Janeiro adolescente com suspeita de febre amarela

16:46 - SP estuda antecipar ainda mais fracionamento de vacina da febre amarela

14:52 - Grávida baleada na cabeça está lúcida; bebê continua em estado grave

14:35 - Febre amarela leva Mairiporã a decretar situação de calamidade pública

11:35 - Resultado do Enem 2017 deve ser divulgado às 11h de quinta-feira

11:34 - Febre amarela; Doria pede 'calma' e diz que muitos se vacinam sem necessidade

11:33 - Governo vai liberar R$ 406 milhões para ensino médio em tempo integral

09:17 - Daniel Cravinhos, ex de Suzane von Richthofen, deixa a prisão

08:44 - Em SP, espera por vacinação em posto público chega a nove horas

08:38 - Mortes por febre amarela crescem cinco vezes em uma semana