WhatsApp Twuitter

Sábado, 19 de agosto de 2017, 00h00

Vai mudar


O senador José Medeiros vislumbrou precocemente o cenário eleitoral para 2018 e prepara sua saída do PSD. Ainda que em declarações públicas o vice-governador e presidente do partido, Carlos Fávaro, clame pela sua permanência, Medeiros sabe que não teria muito espaço para disputar a majoritária no próximo ano, sobretudo se nomes de peso, como Mauro Mendes, ingressarem no DEM, parceiro de primeira hora do PSDB de Taques. No Senado desde 2015, o rondonopolitano conseguiu divulgar seu nome nacionalmente e inclusive chegou a se candidatar à presidência da Casa. Segundo ele, o partido Podemos é a via mais próxima em caso de mudança de ares, mas outras siglas estariam interessadas.

Berlinda

O Tribunal de Justiça do Estado experimenta dias de ‘bola murcha’. No rastro da grande repercussão nacional decorrente do pagamento de salários de até R$ 500 mil a juízes, o Conselho Nacional de Justiça baixou uma portaria para monitorar a folha salarial de todos os magistrados do país, uma lupa de aumento em todos os pontos que compõem seus vencimentos. Se o astral do TJMT com o CNJ não anda lá às mil maravilhas, imagine com os demais tribunais do país? Caberá ao presidente Rui Ramos estancar a celeuma e reforçar publicamente o princípio de que o tribunal age com transparência em seus atos.

Retroativos

As altas somas pagas a magistrados, pelo jeito, não passarão imunes ao crivo tanto do CNJ quanto da imprensa. Ontem foi a vez do Judiciário de Pernambuco também entrar em pauta, após decidir pagar R$ 7 milhões a pouco mais de 1 mil juízes do estado a título de auxílio-alimentação referentes a períodos de afastamento. O pagamento é retroativo. Vem nova polêmica por aí.

Lá fora

Em sua primeira incursão internacional como prefeito de Cuiabá, o prefeito Emanuel Pinheiro tem conseguido apresentar com eficiência os projetos para os 300 anos da cidade. Com uma pauta ousada, a expectativa é de que boas oportunidades de negócio sejam geradas e, quem sabe, a população cuiabana receba uma série de presentes no aniversário histórico da Capital.

Providencial

O governo do Estado fez o que se esperava de uma gestão voltada para os interesses do cidadão. Embora não possa ser obrigado a repassar recursos para hospitais filantrópicos, o poder público não poderia simplesmente virar as costas para a crise que assola tradicionais unidades em Cuiabá e em Rondonópolis. Valeu o esforço pessoal e a articulação do governador Pedro Taques para encontrar uma situação emergencial capaz de evitar o fechamento das unidades.

União

Neste contexto, negociou uma saída com a Assembleia Legislativa e também com a bancada federal do Estado, no que se refere ao direcionamento de emendas parlamentares para atender a saúde pública local. O momento é de crise e quando há crise na saúde quem sofre diretamente é a população usuária do sistema público. Quando a solução parece quase impossível, os poderes devem sim se unir para encontrar uma saída. Os hospitais, agora, ganham novo fôlego para prosseguir com o atendimento gratuito ao cidadão, algo que fazem muito bem há décadas.

Futurologia

Aliás, qualquer especulação sobre as eleições em Mato Grosso do próximo ano é puro exercício de futurologia. De antemão, sabe-se apenas com certeza quase plena que o governador Pedro Taques disputará a reeleição, uma vez que a base aliada sequer trabalha com um plano B. Seus prováveis adversários são incógnitas. O único que parece surgir timidamente no radar é o atual presidente do Tribunal de Contas do Estado, Antonio Joaquim, que anunciou informalmente que se afastará do cargo para se dedicar à pré-campanha eleitoral.

Farpas

O delegado Flavio Stringuetta definitivamente não teme ‘incidentes diplomáticos’ entre policiais e membros do Ministério Público. O clima de animosidade entre ele e o MP começou a se intensificar depois de receber uma notificação do procurador-geral de Justiça, Mauro Curvo, sobre o inquérito dos grampos. Agora, em artigo publicado em sites de notícia, Stringuetta critica as benesses financeiras do sistema judiciário, mas centra o foco no MP. Segundo ele, até pouco tempo atrás, quando havia sobras do duodécimo estas eram rateadas entre os promotores e procuradores de Justiça. A acusação grave gerou reação da Associação do MP, que promete acioná-lo judicialmente.
 



// leia também

Quinta, 21 de setembro de 2017

00:00 - Vem de longe

Quarta, 20 de setembro de 2017

00:00 - Cura gay

Terça, 19 de setembro de 2017

00:00 - Discrição

Segunda, 18 de setembro de 2017

00:00 - Inquéritos

Domingo, 17 de setembro de 2017

00:00 - Retratação

Sábado, 16 de setembro de 2017

00:00 - Tentáculos

Sexta, 15 de setembro de 2017

00:00 - Malebolge

Quinta, 14 de setembro de 2017

00:00 - Lentidão

Quarta, 13 de setembro de 2017

00:00 - Criminalização

Terça, 12 de setembro de 2017

00:00 - Cubículo