WhatsApp Twuitter

Sábado, 02 de setembro de 2017, 00h00

Farra


De Mato Grosso, 12 políticos com e sem mandato serão acionados na Justiça pelo Ministério Público Federal para que restituam ao erário público alguns milhares de reais pelo uso indevido ou injustificado da cota de passagens aéreas da Câmara entre 2007 e 2009. O episódio ficou conhecido como a farra das passagens.
Ao todo, são mais de 500 políticos de todo o Brasil que serão cobrados para devolver R$ 50, 2 milhões que usaram indevidamente para fins privados, como viagens ao exterior, passeios com a família, cessão para eleitores ou outras pessoas sem vinculação ao mandato.

O filho

Por falar em Rodrigo Barbosa, o acordo fechado por ele com o MPF estabelece o pagamento de R$ 3,5 milhões, também a título de reparação pelos ilícitos cometidos. Parte deste valor, R$ 528 mil, se refere à fiança paga por Rodrigo para deixar a cadeia, no âmbito da Operação Sodoma 2. O restante será quitado com o repasse de imóveis, sendo que o mais bem avaliado deles localiza-se no município de Matupá, cidade de origem da família, e toma 3 lotes. O valor é de R$ 2,4 milhões.

O irmão

Já o irmão de Silval Barbosa, Antônio Barbosa, o Toninho, fechou compromisso de devolver R$ 3,42 milhões para compensar o desvio de recursos do Estado. O valor foi levantado com a avaliação de dois imóveis, sendo uma fazenda localizada no município de Peixoto de Azevedo, que custaria R$ 2,9 milhões e um terreno na região do Manso, avaliado em R$ 524 mil. Toninho responde pelos crimes de organização criminosa e corrupção ativa e passiva. Além dele, outro familiar de Silval, o filho Rodrigo Barbosa, também fez acordo com o MPF para conseguir benefícios.

Nem Papai Noel

A ex-primeira-dama do Estado, Roseli Barbosa, de certa forma surpreendeu a opinião pública ao revelar que os esquemas na Secretaria de Trabalho e Assistência Social (Setas) envolviam até os eventos sociais mais populares da gestão. De acordo com a delação, nem mesmo Papai Noel escapou de ter seu nome associado à propinas. O Casamento Comunitário e o espetáculo da Paixão de Cristo também foram alvos das artimanhas financeiras da administração passada. Mais uma prova de que o governo Silval via ‘oportunidades’ de levar um por fora em absolutamente tudo. A fome era muito grande

Devolução

No acordo firmado com o Ministério Público Federal, Roseli Barbosa se comprometeu a devolver R$ 2,452 milhões aos cofres públicos como forma de reparação pelos valores desviados. A dívida será paga com a entrega de um terreno de 5.680 metros quadrados na região do Manso, avaliado em R$ 1,250 milhão e de um apartamento no prédio onde o casal mora, no Jardim das Américas, avaliado em R$ 1,202 milhão. Os dois imóveis serão entregues para uso do Estado de Mato Grosso.

Explicando

O presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios, Neurilan Fraga, saiu em defesa do irmão, deputado José Domingos (PSD) e disse publicamente que ‘nunca sentiu e nem sente vergonha de seu irmão’. Quanto à postagem mencionada, Neurilan disse que trata-se de um desabafo em um momento difícil que envolve sentimentos familiares. “Posso ter expressado palavras indevidas, porém tenho por convicção da sua idoneidade, do seu caráter, da sua índole, do seu comportamento como bom pai, bom irmão, bom amigo e pessoa humanitária que ele é’.

Aviso

Apontado como ‘mentiroso’ e inventor de fantasias por alguns dos citados na delação, o ex-governador Silval Barbosa foi avisado oficialmente pelo Ministério Público Federal do risco de fazer falsas denúncias. A cláusula 11ª do acordo de colaboração premiada, diz que ‘o colaborador venha a imputar falsamente a prática de infração penal à pessoa que sabe inocente, ou revelar informações sobre a estrutura de organização criminosa que sabe inverídicas, poderá ser responsabilizado com pena de reclusão de 1 a 4 anos e multa, além da rescisão do acordo com o MPF.

Longa lista

O deputado federal Carlos Bezerra (PMDB) e a atual prefeita de Chapada dos Guimarães, Thelma Oliveira (PSDB), foram os únicos de Mato Grosso que fizeram viagens internacionais com dinheiro público. O peemedebista gastou R$ 14,5 mil com 5 voos internacionais enquanto a tucana fez 4 voos para outros países gastando R$ 2,7 mil. O deputado federal Valtenir Pereira (PSB) foi o ‘líder’ no volume de gastos, com R$ 117 mil gastos em 238 voos domésticos. A extensa lista cita também Carlos Abicalil, Eliene Lima, Eduardo Moura, Neri Geller, Homero Pereira (falecido), Pedro Henry, Saturnino Masson, Victorio Galli e Wellington Fagundes.
 



// leia também

Sábado, 18 de novembro de 2017

00:00 - Drama

Sexta, 17 de novembro de 2017

00:00 - Competência

Quarta, 15 de novembro de 2017

00:00 - Repasses

Terça, 14 de novembro de 2017

00:00 - À espera

Sábado, 11 de novembro de 2017

00:00 - Escalonado

Sexta, 10 de novembro de 2017

00:00 - Responsabilização

Quinta, 09 de novembro de 2017

00:00 - Política no TCE

Quarta, 08 de novembro de 2017

00:00 - Cena repetida

Terça, 07 de novembro de 2017

00:00 - Outros casos

Segunda, 06 de novembro de 2017

00:00 - Mais razões