WhatsApp Twuitter

Quinta, 14 de setembro de 2017, 00h00

Lentidão


Na boca do povo depois que vários deputados foram flagrados em vídeos recebendo dinheiro e outros tantos são citados na delação, a Assembleia Legislativa segue em passos lentos. Ao menos em relação ao comparecimento em sessões ordinárias. A reação a toda essa avalanche ética deveria ter sido outra. Mostrar trabalho, comprometimento e passar a mensagem de que a instituição pode e deve se recuperar e trabalhar em prol da população. Nenhum membro deveria se ‘resguardar’ agora. E também não pode haver reclamação sobre o corte das suplementações para 2018.

Laranja

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso concedeu ao frentista João Paulo da Silva Queiroz o direito de responder ao processo criminal oriundo da operação Convescote sem ter que continuar utilizando a tornozeleira eletrônica. Ele foi preso no dia 20 de junho, na primeira fase da operação do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) acusado de ser usado como “laranja” pelo ex-servidor do Tribunal de Contas do Estado, Cláudio Roberto Borges Sassioto.

Lobby?

A conversa suspeita gravada entre Antonio Barbosa, Rodrigo Barbosa (irmão e filho de Silval) e os deputados Romoaldo Júnior e Wagner Ramos, em dezembro de 2015, revela outra informação curiosa. Em determinado momento, num contexto em que a permanência de Silval Barbosa na cadeia, foi citada, Rodrigo afirma que um secretário de Estado, atualmente com cargo na gestão Taques, teria estudado e se formado com o ministro do STF, Edson Fachin. Mais adiante, ele dá a entender que, em razão desta amizade, o secretário pediria que o ministro não votasse pela libertação de Silval, em julgamento de habeas corpus. Haveria, portanto, um interesse grande em mantê-lo preso, na insinuação de Rodrigo.

Proatividade

De todos os ‘eventos criminosos’ relatados por Silval Barbosa em sua delação, chama a atenção as engenharias financeiras que eram feitas para conseguir dinheiro de propina. E as ideias não partiam apenas do ex-governador ou dos ‘consagrados’ operadores, como Eder Moraes e Pedro Nadaf, cuja criatividade para fazer artimanhas era notável. Por vezes, deputados estaduais procuravam diretamente Silval para propor esquemas que resultassem em ‘retorno’ de dinheiro para os envolvidos. E em 100% dos casos, o dinheiro ilegal saía de empresas com contrato ou com interesse em fechar contratos com o Estado. E, dessa forma, muitos empresários até então tidos como honestos, sujaram seus nomes.

Devagar

Sempre muito ativo nas redes sociais, o prefeito Emanuel Pinheiro (PMDB) reduziu consideravelmente seu ritmo de postagens, após ser exibido em rede nacional um vídeo no qual aparece guardando dinheiro no paletó. Desde o dia 25 de agosto, o prefeito não postava nada em sua página no Facebook. Quebrou a paradeira geral com uma publicação que mostra as ações realizadas pela Prefeitura de Cuiabá na semana passada, como o mutirão da limpeza, o início da reforma de 11 unidades de saúde e a promessa de entregar, até o fim da gestão, 20 mil títulos residenciais definitivos. Entre os comentários feitos em sua página, muita cobrança por parte de quem ainda aguarda a regularização de suas casas.

Críticas

Mas não há dúvidas de que o vídeo ainda dá o que falar. Os comentários feitos por Emanuel Pinheiro no dia 25 de agosto, após a exibição da reportagem, foram respondidos mais de 2,4 mil vezes, com 355 compartilhamentos, até a tarde de quarta-feira. A grande maioria, como era de se esperar, condena o ato do prefeito e pede que ele venha a público para se explicar de forma mais eficaz. Os internautas que o apoiam, assumem o risco de receber ácidas e numerosas críticas. ‘Você é funcionário da Prefeitura, não é?’, é a reação mais frequente para as palavras de incentivo ao prefeito, que de fato conta com uma significativa ‘tropa de choque’ lá pelos lados do Alencastro.

Avião

A Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp) não dispõe de nenhum servidor capacitado para realizar avaliação do avião do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), dado no acordo com a Justiça para restituir aos cofres públicos milhões de reais desviados pela quadrilha que o peemedebista já confirmou que era o chefe.
Ao colocar o avião à disposição da Justiça, a defesa de Silval disse que a aeronave prefixo PT-VRX, modelo EMB-810 D está avaliada em cerca de R$ 900 mil. Porém, o Estado precisa de garantias concretas antes de aceitar o avião e por isso um especialista precisa avaliar a aeronave.

Viralizou

Outra prefeita flagrada nos vídeos gravados por Silvio Cezar Corrêa foi Luciane Bezerra, de Juara. Uma conversa em grupo de WhatsApp viralizou ontem depois que um dos participantes postou uma foto de Luciane segurando a réplica de um cheque em tamanho ampliado. Alguém respondeu: “Pelo menos esse não cabe na bolsa”. Ao ler a brincadeira, a prefeita revelou sua insatisfação e ameaçou se retirar do grupo, assim como membros do seu secretariado. Apenas para lembrar, Luciane aparece nas imagens guardando cédulas de dinheiro em sua bolsa e reclama com Silvio do valor, mas no fim aceita e diz ainda estar com ‘tremedeira’.
 



// leia também

Sexta, 22 de setembro de 2017

00:00 - Bloqueio

Quinta, 21 de setembro de 2017

00:00 - Vem de longe

Quarta, 20 de setembro de 2017

00:00 - Cura gay

Terça, 19 de setembro de 2017

00:00 - Discrição

Segunda, 18 de setembro de 2017

00:00 - Inquéritos

Domingo, 17 de setembro de 2017

00:00 - Retratação

Sábado, 16 de setembro de 2017

00:00 - Tentáculos

Sexta, 15 de setembro de 2017

00:00 - Malebolge

Quarta, 13 de setembro de 2017

00:00 - Criminalização

Terça, 12 de setembro de 2017

00:00 - Cubículo